Banda vestiu a rigor em dia de aniversário (foto: Isidro Bento)

Em Portugal há cerca de 800 bandas filarmónicas contando-se pelos dedos das duas mãos, aquelas que já completaram 200 ou mais anos, como é o caso da Banda Recreativa Portomosense (BRP). Ora, nesse estrito universo juntar duas filarmónicas ducentenárias no mesmo espetáculo é coisa rara mas foi isso que aconteceu na comemoração dos 211 anos da BRP.

No domingo, 5 de maio, o último dia dos festejos, houve um encontro de bandas e à filarmónica “da casa” juntou-se a Associação Filarmónica União Verridense, de Verride (Montemor-o-Velho) que além de ducentenária é, apenas, um mês e cinco dias mais nova. Curiosamente, a terceira participante é «talvez a mais jovem a nível nacional, contando, apenas, com 16 anos de existência». Longevidades à parte, as três foram muito aplaudidas no concerto que teve lugar no Cineteatro.

A comemoração começou no sábado, 4, num restaurante da vila do Juncal, com a realização de uma gala que incluiu jantar e um mini-concerto protagonizado pela aniversariante. Desta vez, as fardas foram trocadas pelos vestidos longos e pelos fatos mas só isso mudou porque a qualidade de execução manteve-se ao nível a que a banda já habituou o público. Tal como enaltecido na altura, a BRP contou, mais uma vez, com o apoio de alguns elementos e maestro da Associação Filarmónica Montalvense 24 de Janeiro, de Montalvo (Constância), fruto de uma parceria informal entre as duas agremiações, mas também da amizade entre os membros de ambas as bandas.

Durante a gala promovida e dinamizada pelos músicos da BRP com o apoio de alguns dos pais dos alunos da escola de música e de executantes foram distinguidos vários elementos consoante a sua antiguidade no grupo. Foi também apresentado um vídeo onde ficou bem evidente que, além da música, há uma forte amizade a unir os jovens.
Nos discursos “da praxe”, o maestro, Bruno Santos, disse que «a BRP é como que uma família», tendo aproveitado para sublinhar e agradecer o papel que as famílias dos músicos desempenham. O responsável agradeceu, ainda, a colaboração e a amizade dos músicos de Montalvo e, por último, apelou a pais e avós «para que desafiem os seus filhos e netos a ingressar na escola de música da banda».

Carlos Moleano, o presidente da BRP, referiu toda a luta e dedicação que os atuais corpos diretivos tiveram e têm e que permitiu chegar «ao patamar artístico e de organização que a banda tem hoje». O responsável disse que a direção conhece bem as dificuldades mas mesmo assim tem razões para estar contente porque a banda continua a «conseguir contribuir para dinamizar a cultura no concelho, ensinar a arte musical a novos e velhos e trazer gente jovem para o grupo». E foi, precisamente, a esses jovens que agradeceu pelo forma empenhada como organizaram a Gala.
O presidente da Assembleia Geral da BRP, Júlio Vieira evocou «as várias gerações de músicos e de dirigentes que ao longo destes 211 deram corpo e vida à banda, bem como os jovens que com grande sacrifício, muita dedicação e muito trabalho, a mantêm viva». Realçou tambem “o papel absolutamente determinante que Bruno Santos tem tido na evolução da BRP».

O dirigente confessou um grande orgulho na BRP, «uma grande banda, que nunca nos deixou ficar malvistos», como referiu, enaltecendo o papel que a direção de Carlos Moleano tem desempenhado, sublinhando ainda o facto deste «apesar de debilitado fisicamente, continuar a sua missão». Para Júlio Vieira, «instituições como estas são absolutamente vitais para o concelho e no dia em que acabem, Porto de Mós ficará uma terra diferente, para pior».
Por último, o presidente da Câmara, Jorge Vala, começou por recordar que a BRP na sua missão diária une as 10 freguesias. O autarca enalteceu «a resiliência e a capacidade dos órgãos sociais» e destacou, «o papel que a família Moleano, tem desempenhado na vida da instituição nos últimos 50 anos, nomeadamente do atual presidente e do seu irmão Jaime Moleano».

O autarca disse que «o Município continua disponível para apoiar como já o faz há muito», e anunciou que está em fase final de elaboração o projeto que promete revolucionar a atual sede da banda conferindo-lhe também a valência de escola de música. Concluído o concerto, cantaram-se os parabéns e foi partido o bolo de aniversário.

No domingo, 5, ao início da tarde realizou-se na sede da BRP a cerimónia de hastear das bandeiras. Depois, e dando início ao Encontro de Bandas, cada uma das três bandas, partindo de zonas diferentes da vila dirigiu-se, a tocar, até ao Parque Almirante Vítor Trigueiros Crespo, onde foram interpretados os respetivos hinos em jeito de cumprimento entre instituições. A seguir os elementos das três bandas juntaram-se numa formação única e foi esta mega banda que percorreu o centro da vila em direção do cineteatro onde minutos depois teria lugar o concerto com que encerrou “em grande” a comemoração do aniversário de uma das mais antigas bandas filarmónicas do país.