Foto: Armindo Vieira

A população das Pedreiras está a ficar uma pouco cansada da excessiva circulação de viaturas de ensino de condução automóvel na sede da freguesia, quer sejam viaturas ligeiras ou pesadas. Embora reconheça que este ensino tem de se fazer nas vias públicas e bem sinalizadas, dum modo especial em locais com bastante espaço, como é o caso das Pedreiras.

O alerta desta situação foi dado pelo presidente da Junta de Freguesia das Pedreiras, Rogério Vieira, na última sessão da Assembleia Municipal (AM), que teve lugar no passado dia 27 de junho, em São Bento, chamando a atenção para o excesso de viaturas de ensino de condução automóvel, quer em serviço de formação de alunos como em exames de condução, adiantando que «ao fazer este alerta não estamos contra o ensino de condução na freguesia».

O autarca refere que nos últimos tempos «é excessivo o movimento de veículos ligeiros e pesados de condução, em formação e em exames», nos largos Heróis do Ultramar e Dr. Brito Cruz, assim como nas ruas confinantes, «desde a saída do IC2, passando pela estrada Real D. Maria». Tudo isto acontece numa zona de grande movimento, ou seja «nas imediações da Junta de Freguesia, posto médico, igreja, casa velório, salão paroquial, cemitério, cafés e residências privadas», acrescenta o autarca.

Depois de explicar que «muitas pessoas da freguesia, e não só, andam indignadas com toda esta movimentação», o presidente da autarquia pedreirense adianta que num qualquer dia, presenciou «em cerca de uma hora 12 viaturas ligeiras e duas pesadas, uma delas com reboque» e outro elemento da autarquia, no «mesmo tempo e noutro dia, contou seis viaturas ligeiras ao mesmo tempo, naqueles largos».

Rogério Vieira denunciou também que «os ligeiros chegam a fazer manobras de marcha atrás em duas zonas com traço contínuo», o que «originou já desentendimento com residentes que teimam, e bem, em não ultrapassar».

Proximidade traz mais viaturas

Na altura em que foi efetuada esta intervenção, o presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós, Jorge Vala, disse não ter conhecimento da situação, no entanto avançou que iria «contactar o Centro de Exames de Porto de Mós, para saber o que se passa».

O Portomosense contactou também o Centro de Exames, propriedade da Associação Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel (ANIECA), que começou por esclarecer que «nunca houve reclamações escritas ou verbais sobre este assunto», adiantando que «a povoação das Pedreiras é utilizada para a realização de exames, assim como Jardoeira, Porto de Mós, Batalha ou Alcobaça», podendo «a proximidade ao Centro de Exames aumentar o fluxo de veículos». Sobre as infrações ao Código da Estrada esclarece que «não há conhecimento dessas infrações, nem compreende como é possível obrigar outro condutor a cometê-las».

Relativamente à indignação dos residentes, o Centro de Exames depois de informar que os percursos de exames «são autorizados pelo IMT-IP por períodos de dois anos», refere que serão dadas «instruções aos examinadores para que não se efetuem manobras no local referenciado».