Entre os dias 6 e 21 de abril, o concelho de Porto de Mós acolheu, pela primeira vez, o festival do cabrito e do borrego que decorreu numa iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Porto de Mós.

O evento contou com a participação de 13 restaurantes que responderam afirmativamente ao desafio lançado.
Valorizar e divulgar, os dois produtos regionais, foram as palavras de ordem neste festival. Promover a culinária como património cultural, e os estabelecimentos de restauração, foram também os objetivos desta iniciativa.
O Portomosense foi ouvir os restaurantes que decidiram aderir ao festival e o balanço que a maioria faz é bastante positivo. Exemplo disso, são os clientes que vieram de várias partes do país por saberem do festival e quererem provar as diversas iguarias que os estabelecimentos tinham à disposição.

No entanto, pelo menos dois restaurantes disseram que a realização do festival em nada alterou as suas rotinas e que nem sequer sentiram a afluência de pessoas que não os clientes habituais. Houve mesmo quem dissesse que o cartaz que promovia o festival estava mal feito porque havia pessoas a pensar que o festival se cingia apenas à freguesia de Porto de Mós e que não incluia as freguesias adjacentes.

Apesar das várias tentativas, nem todos os restaurantes responderam ao contacto e por isso, até ao fecho do jornal não foi possível contabilizar o total das refeições.

Na sua grande maioria, os restaurantes dizem ter servido, em média, 200 refeições durante os dias em que o festival decorreu, mas houve também outros que não foram além da meia centena de refeições servidas.

Tendo em conta os dados facultados pelos restaurantes, durante os dia 6 e 21 de abril, no contexto do festival gastronómico do cabrito e do borrego, foram vendidas cerca de 1300 refeições.

Em suma, a generalidade dos restaurantes falam numa experiência positiva e que gostariam de ver repetida porque levou a um acréscimo na quantidade de pessoas que decidiu ir ao restaurante.