Na tarde do passado domingo, a AD Portomosense deslocou-se até Mira de Aire e permitiu o empate (3-3) depois de estar a vencer por 0-3. Pela vontade e superação da UR Mirense, sobretudo a partir do meio da segunda parte o resultado acaba por se aceitar, mas a vitória do Portomosense teria sido mais justa, pois foi a equipa mais esclarecida durante maior período de tempo.

Entrou melhor o conjunto visitante numa jogada sobre a direita por Junior Seidi. Este assistiu Camará à entrada da área para o remate forte que Thallis defendeu para canto. Desse canto nasceu o golo inaugural, por Filipe Carvalho que, no meio da confusão, foi o mais esclarecido.

O segundo golo não tardou a aparecer e, numa jogada de insistência, Afonso Feteira passou pelo último defesa e pelo guarda-redes antes de fazer o 0-2.

O Mirense tentou reagir e até conseguiu chegar perto da baliza de Makê mas não realizou qualquer remate. Já do outro lado as oportunidades foram aumentando e um brilhante passe de Elton Cruz para Camará quase resultou no terceiro golo não fosse Gonçalo Alves cortar no último instante.

Em cima do intervalo surgiu o primeiro remate dos homens da casa, num canto de Rafael Matias desviado de cabeça por Kiko, fazendo a bola passar perto do poste.

A etapa complementar começou exatamente como a primeira, ou seja, com os comandados de Pedro Solá por cima no jogo e logo nos primeiros momentos Afonso Feteira quase aumentou num remate forte e colocado.

Cinco minutos depois chegou mesmo o 0-3 num grande passe de Elton Cruz para Caracol que, em progressão, tirou dois defesas do caminho e, na cara de Nuno Caetano, não perdoou.

Mesmo a perder, o Mirense nunca desistiu e foi à procura do golo que podia ter chegado na sequência de bolas paradas. Primeiro Igor, num remate de ressaca, forte, mas à figura de Makê, depois Kiko, de cabeça, voltou a não acertar no alvo e, por fim, Vlad, no meio da confusão, atirou para as nuvens quando tinha tudo para faturar.
Depois de tanto desperdício, finalmente apareceu o golo do Mirense, numa jogada em que o recém-entrado Carlos Niné, numa tentativa de cruzamento junto à linha lateral e com a ajuda do vento, colocou a bola no ângulo da baliza de Makê.

Pouco depois, Carlos Cruz evitou, com a cara, o golo de Gonçalo Alves num remate de primeira na sequência de um canto. Já Nuno Miguel não conseguiu evitar que Carlos Niné reduzisse a desvantagem, quando falhou a interceção e deixou a bola à mercê do avançado da casa (2-3).

Passados dois minutos, na sequência de um contra-ataque, Tiago Luzio fez o golo que deu a manutenção à UR Mirense, num remate cruzado e muito forte para gáudio dos muitos adeptos da casa. Até ao final, um “ferido” Portomosense ainda esboçou uma reacção, mas foi infrutífera.

Boa arbitragem do trio chefiado por Tiago Pinto.

Pedro Sousa | texto e foto