De acordo com o Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses, no ano de 2018, Porto de Mós voltou a integrar o top 50 da eficiência financeira.

Olhando para o ranking global que junta os 100 municípios que globalmente conseguiram as melhores classificações no conjunto de 11 variáveis e rácios financeiros que permitem caracterizar comparativamente a sua gestão financeira, verificamos que face a 2017, o município tem, em 2018, uma ligeira descida na tabela mas mesmo assim continua numa honrosa posição, passando do 27.º para o 31.º lugar. Entre os municípios de média dimensão, desce um lugar, ocupando, agora, a 12.ª posição. Já a nível distrital mantém o 4.º lugar, à frente, por exemplo, de Leiria e Caldas da Rainha.

Do ranking global de 2018 fazem parte 17 municípios de grande dimensão, 38 de média e 45 de pequena dimensão e dos 16 municípios que compõem o distrito de Leiria, apenas, nove estão entre os 100 melhores.

Olhando para o histórico constata-se que Porto de Mós está há vários anos em lugares cimeiros, o que parece indicar que, de algum modo, conseguiu cimentar uma posição entre os melhores em termos de eficiência financeira. A primeira referência que conseguimos encontrar ao município no anuário, que desde 2003 é elaborado por um grupo de docentes universitários e depois tornado público pela mão da Ordem dos Contabilistas Certificados [na altura, Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas], é em 2009, nesse caso por se ter destacado nalguns indicadores específicos. No anuário que reúne dados de 2010 a 2012, a sua performance geral a este nível já lhe garante um lugar entre os 30 melhores, a soma obtida nos três anos em apreço, coloca-o na 19.ª posição. Em 2015 ocupa o lugar 13, em 2016, o 12 e em 2017, é o 11.º com melhor eficiência financeira.

Além da boa performance global, Porto de Mós aparece também bem classificado nalguns dos mais de 20 rankings específicos relativos a indicadores/rácios financeiros, orçamentais, económicos e patrimoniais. Assim, é o 10.º entre os municípios com Maior Diferença Positiva entre o Saldo de Investimento Financeiro e o Saldo de Ativos Financeiros; o 24.º entre os municípios com Melhor Índice de Dívida Total, e o 28.º entre os municípios com Menor Volume de Juros e Outros Encargos Financeiros pagos em 2018.

A nível nacional, o município com melhor eficiência financeira é Sintra que, em 2018, troca de posição com a Marinha Grande.
Em declarações a O Portomosense, o presidente da Câmara, Jorge Vala, mostrou a sua «grande satisfação por Porto de Mós continuar entre os melhores», e disse que, «contrariando algumas vozes não só não aconteceu qualquer cataclismo nas contas como houve uma evolução positiva, por exemplo, a redução significativa da dívida total