O centro do Alqueidão da Serra, nas ruas em redor da Igreja, tem mais “vidas”, vidas de muitos anos e com muitas memórias espelhadas nos retratos dos seus rostos. A exposição Dar Voz à Idade – iniciativa da associação Alecrim e Salva – tem um total de «61 quadros colocados em 20 expositores, para os quais foram fotografadas 67 pessoas», explicou, durante a inauguração, a presidente da associação, Helena Batista. Todas as pessoas fotografadas «tinham idade igual ou superior a 85 anos, a 31 de dezembro de 2021 e são residentes na freguesia do Alqueidão da Serra». Para uma plateia bem composta, onde se incluíam os rostos agora eternizados e as suas famílias, Helena Batista explicou o projeto: «Notámos que as pessoas de mais idade vivem, por vezes, isoladas e necessitam de saber o quanto foram e são importantes», frisa. O projeto Dar Voz à Idade pretende ainda «desafiar as pessoas a conhecer a beleza intrínseca às rugas e expressões de idade, sentir o poder do tempo, valorizar a idade enquanto património e fazer notar a sua presença na comunidade».

A presidente da associação sublinhou ainda o papel destas pessoas como construtoras do presente: «Queremos trazer para a rua um património valioso, legitimando o orgulho de os ter connosco, reconhecendo-os como uma base do que somos hoje, esperando que fiquem connosco bons anos e nos ajudem a construir diariamente um mundo melhor». Por fim, Helena Batista, deixou uma homenagem especial a cinco pessoas «que faleceram após a sessão e que nesta exposição continuam vivas».

A fotógrafa responsável por este projeto, Ana Rodrigues, que «nunca tinha fotografado pessoas desta idade», gostou «muito» do desafio. «Foi fácil fotografá-los, tentámos que eles se rissem naturalmente, que estivessem o mais naturais possível e à vontade e resultou», explica. Sendo alqueidoense, fazer parte disto «foi ainda mais especial», até por conhecer alguns dos idosos que fotografou.

Presente na inauguração esteve o presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós, Jorge Vala, que enalteceu «o significado desta iniciativa», por ser «sempre importante reconhecer os que já nos deram muito». O autarca espera que, se esta iniciativa não for recriada noutros pontos do concelho, continue «pelo menos no Alqueidão da Serra». Já o presidente da Junta de Freguesia local, Filipe Batista, agradeceu à associação Alecrim e Salva e «aos órgãos sociais que trabalharam imenso» para colocar de pé a exposição e «às pessoas que aceitaram» fazer parte do projeto. Reconhecendo a importância da iniciativa, Filipe Batista lembrou ainda os que «já não foram a tempo de ver o resultado».

Fotos | Jéssica Moás de Sá