A EB/JI de Casais Garridos é a única escola do concelho a participar na oitava edição do concurso Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável. A competir com dois vídeos, um feito pelos alunos do Jardim de Infância e e outro pelos do 1.º ciclo, além da alimentação saudável, através da fruta, merece destaque a escovagem dos dentes que é feita na escola. As votações terminam amanhã, dia 29, às 10 horas e podem ser feitas no site www.heroisdafruta.pt, com “gosto” no youtube, ou por chamada telefónica. No caso desta escola, os votos para o vídeo do Jardim de Infância são feitos através do contacto 760 457 279; e para o do 1.º ciclo pelo número 760 457 159.

Terminada esta fase, são apurados 100 finalistas, cinco de cada distrito (os três mais votados por telefone e no site e os dois com mais “gosto” no youtube). Esta é uma iniciativa da Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil (APCOI), e este ano estão a concorrer 824 vídeos, feitos por milhares de alunos de escolas de todo o país. No distrito de Leiria, são 52 as turmas a votos. Cada voto reverte em forma de donativo para a Missão 1 Quilo de Ajuda, o fundo social da APCOI, que permite que seja oferecida fruta às escolas, para as crianças mais carenciadas. Quem vota, habilita-se ainda a diversos prémios.
Projeto é implementado durante todo o ano

Rita Malhó é educadora e coordenadora na EB/JI de Casais Garridos e há vários anos que orienta a participação no projeto, que considera «importante, sobretudo para sensibilizar as crianças e as suas famílias, e para trabalhar a temática da alimentação saudável» , algo que, todos os dias, é posto em prática neste estabelecimento de ensino. O corpo docente decidiu adotar o projeto para todo o ano, não se esgotando apenas na participação no concurso. Há vários anos que, todas as semanas, os pais doam fruta à escola (este ano letivo, a Câmara também o faz) para que as crianças possam comê-la aos lanches e ao almoço. «Cada pai, oferece aquilo que entende. Os frutos são colocados num tabuleiro comum e cada criança pode escolher o que quiser», explica, acrescentando que, assim, os alunos têm acesso a um lote variado que vai além da «pêra, maçã e laranja», as mais comuns. Outra das ações englobada no projeto relaciona-se com os lanches levados de casa. «Aqui não há lanches menos saudáveis, bollycao por exemplo, não existe», conta Rita Malhó. Os pães do almoço servem para os lanches da tarde, os pais mandam o “recheio” e as sandes são feitas na escola. Este ano, inserido também nesta temática, foi introduzida a escovagem dos dentes na escola.

A educadora acredita que esta «aprendizagem significativa» faz com que os alunos estejam mais informados sobre o tema e saibam o que podem comer e em que quantidades, «se lhes fizerem perguntas, eles respondem facilmente, porque é o que fazem no seu dia a dia». Sabendo que, por vezes, em casa, há algumas exceções, refere que as crianças «têm os fundamentos» e, muitas vezes, alertam os pais sobre o que não devem comer.

O “universo” desta escola é pequeno e por isso, Rita Malhó considera que muito dificilmente podem ganhar a competição, já que com poucos alunos, há pouca gente envolvida, poucos pais e familiares para votar, mas isso «não é valorizado». «Participamos para dar contexto ao projeto que realizamos durante todo o ano», remata.

Catarina Correia Martins | texto