A Assembleia Municipal (AM) de Porto de Mós, que recentemente passou a fazer parte da Associação Nacional de Assembleias Municipais (ANAM), participou pela primeira vez num encontro dinamizado por esta associação, no qual estiveram presentes os representantes das AM do distrito. O encontro que decorreu no passado dia 8, em Leiria, inseriu-se na iniciativa ANAM em Diálogo, um «projeto de proximidade» lançado em 2019.

Neste encontro que serviu para «auscultar algumas das questões e desafios que acabam por estar na base do trabalho da ANAM», as AM fizeram-se representar por elementos das Mesas, segundo uma nota de imprensa da associação. Em representação da AM de Porto de Mós esteve António José Ferreira, secretário da Mesa, que destacou a relevância da transmissão das sessões da AM pelas redes sociais, para «fomentar a participação dos cidadãos», o que considera ser algo muito positivo para a «implementação da democracia». Por outro lado, António José Ferreira apontou algumas das boas práticas que se têm revelado um sucesso na aproximação deste órgão deliberativo às populações. É o caso da celebração do 25 de Abril através da AM e da participação de algumas personalidades do concelho nas sessões. Na sua intervenção, António José Ferreira não esqueceu a recente entrada da AM de Porto de Mós na ANAM, uma decisão que reconhece ser «muito positiva»: «É importante não trabalharmos sozinhos», considerou.

Por sua vez, Lilibeth Ferreira, em representação da AM de Ansião, traçou um cenário positivo ao revelar que estão num «bom caminho» no que diz respeito à «participação e envolvimento dos seus munícipes». A AM da Batalha, que se fez representar por Elsa Libânio, defendeu a descentralização das sessões para outras freguesias como uma das formas de fomentar a participação da população. Na sua intervenção enquanto representante da AM de Leiria, José Silva Alves, defendeu a necessidade de as leis de funcionamento das AM serem revistas, nomeadamente a lei eleitoral, por considerar que aquela que atualmente está em vigor é «limitativa»: «Dependendo do tipo de gestão, acaba por levar as AM a funcionarem como se fossem uma unidade orgânica da Câmara», justificou.

Através de uma «troca de opiniões e de diferentes realidades», neste encontro ficou demonstrada «a utilidade» de se pertencer à ANAM, que segundo uma nota de imprensa, é um «espaço privilegiado de dignificação e valorização dos eleitos locais e das AM». O presidente da ANAM, Albino Almeida, citado na mesma nota, frisa o papel da associação: «A ANAM surge como uma importante rede de contactos, de eleitos que, preservando sempre a autonomia do poder local, se confrontam com questões similares», diz.