São todas mulheres e têm em comum a mesma paixão por motas. Petrolettes assim se chama a comunidade internacional para mulheres apaixonadas «pelo mundo das motas» que nasceu na Alemanha, num festival organizado por um grupo alemão de motociclismo feminino, e que se tem espalhado um pouco por todo o mundo. Portugal não é exceção. Existem vários grupos no país, um dos quais nas Caldas da Rainha, criado o ano passado. «Sabemos que o mundo motard é um mundo dominado por homens e muitas vezes não há espaço para as mulheres crescerem e desenvolverem o seu potencial. Por isso, o nosso objetivo é conectar as mulheres umas com as outras, criar um empoderamento e criar um ambiente seguro para desenvolverem o seu potencial», explica Ana Pedro, a petroleader de Caldas da Rainha. Um ano depois, o grupo das Petrolettes das Caldas da Rainha é composto por mais de 50 apaixonadas por motas, oriundas de vários pontos da região Oeste. «Temos mulheres desde Bombarral, Oeiras, Marinha Grande, Torres Vedras, Ourém, Alcobaça, Entrocamento e até Tomar», exemplifica.

A pandemia travou a realização do habitual festival mas não travou a vontade destas mulheres de se juntarem e poderem partilhar momentos e experiências. Foi assim que surgiu, pela primeira vez, no ano passado, o Rällly (com três ‘l’, como é imagem de marca), um evento global anual, onde pequenos grupos locais de mulheres se juntam no mesmo dia para, simultaneamente, fazer um passeio de mota. O grupo das Petrolettes das Caldas da Rainha vai associar-se a este evento mundial, agendado para o dia 4 de junho, em que qualquer pessoa se poderá inscrever. O único requisito é «ser mulher e gostar de andar de mota». Para isso, basta aderir ao grupo de Facebook Petrolettes Caldas da Rainha, onde constarão todas as informações sobre o evento. «Este Rällly das Petrolettes está aberto a todos os grupos motards e motoclubes», sublinha. Por enquanto, existem já 30 mulheres inscritas.

A concentração será junto ao Largo do Hospital Termal das Caldas da Rainha, sendo que a partida está agendada para 9h30. «A rota vai passar pelas Serras de Aire e Candeeiros e terminará junto à estação de comboios de São Martinho do Porto, no bar Pit Stop, onde vamos organizar uma festa à noite que será aberta a qualquer pessoa que se queira juntar», afirma Ana Pedro. «Vai ser um dia mais de convívio do que estrada. Vamos também fazer algumas atividades, para nos podermos conhecer umas às outras, porque é esse o principal objetivo do Rällly», remata.

Com Rita Santos Batista