A Associação da Calçada Portuguesa, da qual faz parte o Município de Porto de Mós, apresentou a proposta de inscrição do Saber-Fazer da Calçada Portuguesa no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial «numa sessão pública», no passado dia 19 de março, «nos Paços do Concelho, em Lisboa, com a presença do presidente da Câmara Municipal de Lisboa». O Município portomosense informa ainda, através das suas plataformas oficias na Internet, que a proposta tem como temática «a salvaguarda de uma arte única, que é parte da cultura e da identidade de Lisboa e de Portugal no mundo».

Porque é importante preservar esta arte? «Fator de identidade, de afetividade e de diferenciação histórica, artística e cultural nacional» é como o Município identifica a Calçada Portuguesa, acrescentando também que, «mais do que um pavimento, é uma arte que transporta em si a sensibilidade artística de um povo, que muito contribuiu para marcar a pegada dos portugueses no mundo, que importa proteger, valorizar, promover e internacionalizar». A par desta fundamentação, é mencionado também o contributo da Calçada Portuguesa para a «requalificação dos espaços públicos urbanos», referindo que esta arte portuguesa demonstra ser um «fator de impacto considerável na qualidade de vida das populações e na potenciação da identidade artística nacional e dum saber-fazer artesanal que é uma arte única no mundo».

O passo seguinte, espera a Associação, é «avançar com a candidatura da Calçada Portuguesa à lista representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade (UNESCO)».