Bernardo Cunha, atleta do Grupo Desportivo das Pedreiras (GDP), foi um dos 14 atletas convocados para representar Portugal nos Campeonatos Europeus Sub-18, que começaram ontem e se prolongam até quinta-feira, dia 7, em Jerusalém (Israel). Esta é a segunda vez que Bernardo Cunha veste a camisola da seleção portuguesa, depois de em fevereiro ter participado no Campeonato Ibérico, que se realizou em Espanha. Para o GDP este é mais um feito histórico, sendo a primeira vez que um dos seus atletas enverga a camisola das quinas para ir a um europeu.

«Com uma grande emoção» mas sem surpresa, foi assim que Bernardo Cunha soube que constava da lista de convocados, divulgada pela Federação Portuguesa de Atletismo, para representar Portugal em Jerusalém: «Eram poucas as possibilidades de não ser convocado porque para este campeonato convocam os 14 melhores classificados do ranking europeu e como eu estava mais ou menos bem classificado era quase impossível» isso não acontecer, admite. Para o atleta, esta participação, além de ser um objetivo com o qual já sonhava «há muito tempo», é também reflexo do trabalho que foi desenvolvendo ao longo da época. «Eu sabia que conseguia mas também sabia que tinha que lutar para isso porque ia ser difícil», revela.

O atleta, natural do Reguengo do Fetal, no concelho da Batalha, irá participar na categoria de decatlo, que engloba 10 modalidades do atletismo e cujas provas são divididas em dois dias (6 e 7 de julho), cinco no primeiro e cinco no segundo. «Para o primeiro dia está agendada a prova dos 100 metros, salto em comprimento, lançamento do peso, salto em altura e os 400 metros. No segundo dia começamos com barreiras (110 metros), depois o lançamento do disco, o salto com vara, lançamento do dardo e 1 500 metros, para acabar», explica.

Dias antes de viajar para Israel, Bernardo Cunha teve uma conversa com O Portomosense, na qual confessou estar «nervoso» por ir representar Portugal mas, ainda assim, dizia encarar esta competição «como as outras»: «Vou de cabeça erguida. Irei tentar fazer o meu melhor e representar Portugal da melhor maneira». Nessa altura, o atleta assumia ainda que essa participação lhe provocava uma «pressão» extra. «Nós queremos ficar bem vistos, não é?», considera. Sobre resultados, Bernardo Cunha admitia já a ambição de ficar «bem classificado»: «Queria ficar pelo menos num top 10 e talvez sacar de um recorde nacional, acho que não é assim tão difícil. Vai ser complicado mas nada é impossível», conta.

Com mais de 10 anos de experiência no atletismo, o atleta antecipa o retorno que esta participação num campeonato europeu lhe poderá trazer no futuro. «Eu acho que vai ser muito importante para a minha carreira profissional porque tenciono seguir o atletismo e acho que quero levar isto para a vida. Vai-me dar grandes avanços, novas oportunidades e, talvez, até novas saídas», conclui.