Já é conhecida a distribuição de pelouros do (novo) executivo da Câmara Municipal de Porto de Mós. O anúncio foi feito pelo recém-presidente da Câmara eleito, Jorge Vala, responsável por essa competência, durante a primeira reunião de Câmara deste novo mandato, que decorreu na passada terça-feira, dia 12. O autarca optou por atribuir pelouros a quatro elementos do executivo municipal e à semelhança do que tem acontecido nos últimos anos, não foram distribuídos pelouros à “oposição”. Comparando com aquela que foi a dinâmica do executivo no mandato passado, esta distribuição não trouxe nenhuma novidade de relevo relativamente às áreas que cada um ficará encarregue.

Assim sendo, o próprio presidente do município ficará responsável pela pasta das Finanças; Recursos Humanos; Obras Particulares; Desenvolvimento Económico e Proteção Civil. Já Eduardo Amaral irá acumular a vice-presidência da Câmara com os pelouros do Desporto; Cultura; Turismo e Ambiente. Por sua vez, a Telma Cruz foi-lhe atribuído os pelouros da Educação; Ação Social; Saúde e Juventude. Marco Lopes ficará incumbido das áreas da Modernização Administrativa, Tecnologias e Sistemas de Informação; Inovação, Empreendedorismo e Formação Profissional; Serviços Municipais e Obras Públicas.

A completar o assento municipal mas sem pelouros atribuídos está Paulo Nobre, Sofia Amado e Rui Marto, todos eleitos pelo PS. Este último, quarto elemento da lista socialista, veio substituir João Salgueiro, depois de este ter renunciado ao cargo de vereador.
Esta distribuição reflete os resultados das eleições autárquicas, do passado dia 26 de setembro, com o PSD a conseguir 55,9% da preferência do eleitorado, conseguindo, assim, eleger quatro vereados para a Câmara Municipal, e o PS, com 35,9% dos votos, por sua vez, elegeu três. O Chega (3%) e a CDU (1,7%) não conseguiram representação no executivo municipal.

Foto | Ilda Silva