A partir do dia 19, todas as pessoas com idade igual ou superior a 60 anos que decidam tomar a vacina da gripe nas farmácias vão ter o custo da sua administração comparticipado pela Câmara Municipal da Batalha, anunciou na semana passada o executivo liderado por Paulo Batista Santos. O objetivo desta medida, que tem uma previsão orçamental de cerca de 25 mil euros, passa por «estimular a opção da vacinação e descongestionar os centros de saúde do concelho da Batalha», conforme é explicado num comunicado de imprensa. Para isso, o Município da Batalha irá contar com a colaboração das farmácias sediadas no concelho. «Estamos a atenuar a pressão dos centros de saúde para as farmácias, que neste momento já é elevada, e simultaneamente, criamos as condições para que mais pessoas tenham acesso à vacina da gripe, como recomenda a DGS», refere Paulo Batista Santos, presidente da Câmara da Batalha.

A 1.ª fase da vacinação gratuita, arrancou no passado dia 28 de setembro e destina-se à vacinação em determinados contextos, incluindo residentes, utentes e profissionais de estabelecimentos de respostas sociais, doentes e profissionais da rede de cuidados continuados integrados, profissionais do SNS e às grávidas. No plano de vacinação, a 2ª fase, que tem início previsto a 19 de outubro, irá integrar os outros grupos alvo abrangidos pela vacinação gratuita, incluindo os cidadãos com idade igual ou superior a 65 anos. «Embora a vacinação seja gratuita para esse grupo de pessoas, em algumas situações, o custo de ministrá-la numa farmácia é, neste momento, de 2,5 euros», destaca.

Conforme consta em comunicado de imprensa, esta decisão enquadra-se no Regulamento Municipal de Comparticipação de Medicamentos e na «opção de reforço de medidas de promoção da saúde e de prevenção da doença que o município tem em curso desde o início da pandemia». O Município salienta, no entanto, que esta decisão «enquadra-se nas novas competências na área da saúde e será previamente submetida à apreciação dos membros do Conselho Municipal de Saúde, com reunião agendada para o próximo dia 8». Esse parecer «é necessário para firmar o protocolo que envolverá as farmácias locais, a USF Condestável e o Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Litoral (ACeS Pinhal Litoral)»