O deputado Ricardo Vicente, do Bloco de Esquerda enviou várias perguntas dirigida ao Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, na sequência das declarações do diretor de comunicação da Altice, André Figueiredo, em Porto de Mós. O responsável da empresa de telecomunicações admitiu que foram recebidos vários e-mails por parte da população portomosense, com vocabulário pouco simpático face ao descontentamento com a cobertura no concelho. André Figueiredo disse ainda que devido a estes e-mails esteve em causa a resolução do problema, por parte da empresa, no concelho, valendo a disponibilidade para dialogar do presidente da Câmara de Porto de Mós, Jorge Vala.

Estas palavras levaram a que o deputado do BE lançasse três questões ao ministro: «Considera o Governo legítimo que responsáveis da Altice anunciem a possibilidade de retaliação no acesso da população a serviços de telecomunicação e internet, como consequência da manifestação de descontentamento da população por não ter acesso a serviços a que tem pleno direito?; Que medidas pretende o Governo adotar para garantir a igualdade de acesso aos serviços de telecomunicação e internet, na sequência da recente visita e confirmação do presidente da Anacom das falhas de cobertura no município de Porto de Mós?; Que medidas pretende o Governo tomar para garantir que não se repetem as ameaças e chantagens de operadores de telecomunicações perante manifestações de descontentamento de cidadãos?». No documento, Ricardo Vicente, diz que o «BE considera inaceitável que a população tenha de se sujeitar às ameaças, humores e chantagens de um diretor de uma operadora privada para aceder aos serviços de telecomunicação a que tem pleno direito».

Esta situação veio «provar», segundo o deputado, que é «errada e danosa a política de privatização de setores estratégicos da economia promovida por governos PS, PSD e CDS, que muito têm contribuído para as graves assimetrias do território». O partido considera «essencial» resgatar «para o Estado a rede básica capturada pela Altice».

jéssica moás de sá | tex