A partir do início do próximo ano, «o Município de Porto de Mós estará em condições de começar a recolher os biorresíduos diferenciados», a informação foi dada pelo presidente da Câmara, Jorge Vala, na última reunião do executivo. São considerados biorresíduos as sobras de refeições, cascas de frutas e legumes, folhas e ervas do jardim, por exemplo, que hoje são colocadas no lixo indiferenciado e que, em breve, terão um contentor próprio para separação. Jorge Vala deu esta informação tendo em conta uma candidatura já aprovada, de cerca de 385 mil euros, que «inclui a aquisição de uma viatura, de contentores de 400 litros e outros mais pequenos para colocar nas casas das pessoas e, depois, também, a promoção e divulgação de todo o processo». A candidatura estará a «ser tratada por quem recebe [os resíduos], a Valorlis», estando a Câmara a «negociar com quem os recolhe, a SUMA», para que o concelho possa ter o «serviço completo».