A situação foi denunciada há, praticamente, um mês, na Assembleia Municipal, mas até agora nada terá mudado: há cada vez mais cães vadios no Alqueidão da Serra e a situação é de tal forma preocupante que o presidente da Junta fala já de um problema de saúde pública.

Os cães, que «começaram por ser dois ou três», são hoje «mais de uma dúzia» mas não é só o elevado número que preocupa o autarca. É que os animais ao vaguearem pela povoação vão transportando consigo pulgas e carraças e há já alguns locais, um deles próximo da escola do 1.º Ciclo, infestados com estes parasitas.

«A situação está a agravar-se e eu não sei o que hei de fazer. Ligo para o município e o veterinário diz-me que o canil está cheio. As pessoas procuram-me porque já houve ataques a animais em capoeira e a outros e eu não tenho resposta para lhes dar, mas também não vou cometer nenhum crime», disse o autarca frisando, por outro lado, que «por muito que goste de animais e tenha pena deles isso não se pode sobrepor à saúde pública».

«As pessoas têm imensa pena dos animais, vão dando água e comida mas não os adotam e eles vão andando por aí», afirmou numa crítica implícita a alguns moradores que, embora bem intencionados, podem estar, no seu entender, a contribuir para que o problema se mantenha.

Afirmando-se impotente para resolver esta questão confessa que tem sugerido a quem o procura, para que a faça chegar também «à delegada de saúde» por ser já, de facto, «um problema de saúde pública».

Em resposta, o presidente da Câmara, Jorge Vala considerou que face à situação descrita pelo autarca do Alqueidão da Serra, poderemos estar, realmente, «perante uma questão de saúde pública», tendo garantido que vai «providenciar a tentativa de desinfeção do espaço». Já quanto aos cães disse, apenas que «vamos ver o que fazer».

O autarca aproveitou a oportunidade para realçar que foi precisamente «para tentar resolver em grande medida estes problemas de abandono dos animais» que foi construído pelo atual executivo o canil «porque até aí os animais que eram recolhidos, eram eutanasiados». «Avançou-se para a construção de um espaço digno, que nos deve orgulhar, e que já recolheu 52 cães e 32 gatos. Entretanto, já foram adotados 26 cães [que estavam no canil], depois de serem devidamente esterilizados e chipados, e 22 gatos. O Centro de Recolha Animal [mais conhecido por canil] conta com 10 voluntários.