As contas da Câmara da Batalha relativamente ao ano de 2020 apresentam «um resultado de exploração positivo», de acordo com nota de imprensa enviada à nossa redação. Segundo o mesmo documento, o Relatório e Contas do Município do ano económico de 2020 foi aprovado por maioria e apenas com a abstenção do vereador eleito pelo CDS-PP, destacando-se ainda que a Câmara «vive uma situação financeira saudável», podendo assim avançar para «novos projetos de investimento e reforço de medidas de apoio social à população», uma vez que apresenta meios libertos positivos «de 1 912 361 euros, valor este que compara com os 1 886 542 euros em 2019», ou seja, registou um aumento de 1,4%.

Conforme se pode ler no relatório do auditor, o Município «regista indiciadores de uma situação económica e financeira equilibrada», referindo o exemplo do cash-flow, que foi gerado em 2020 (1 847 036 euros) e que «é superior ao valor total das dívidas a terceiros a curto prazo existentes a 31/12/2020, que ascendiam a 1 307 129 euros». O auditor destaca ainda o facto de «o rácio de autonomia financeira apresentar um valor bastante significativo, a rondar os 89%».

O Município encontra-se ainda nos níveis mais baixos do ranking do setor autárquico, à data de 31 de dezembro de 2020, no que ao prazo médio de pagamentos a fornecedores diz respeito. Neste caso, «o prazo médio de pagamentos situa-se em 13 dias, não registando ainda quaisquer dívidas em atraso», segundo se pode ler no mesmo comunicado.

A Câmara reduziu ainda o endividamento municipal em 17,4%. Este encontra-se «ao mais baixo nível da última década» e, comparativamente a 2019, «a dívida total registou uma redução de cerca 452 mil euros» (- 17,4%), representando, a 31 de dezembro de 2020, «o valor de 2 143 095 euros, dos quais apenas 1 712 472 euros relativos a empréstimos bancários de m/l prazo», lê-se ainda na nota.

Face a estes resultados, o presidente da autarquia, Paulo Batista Santos, refere que «com um endividamento municipal praticamente residual e dispondo de uma elevada capacidade de execução de fundos europeus», o Município «poderá encarar o seu futuro com ambição de fazer mais projetos e chegar a mais famílias».