O Centro de Apoio Social Serra D’Aire e Candeeiros (CASSAC) está à procura de pessoas, com mais de 18 anos, interessadas em formar uma rede de voluntários. A diretora técnica do CASSAC, Margarida Pires, explicou a O Portomosense que a ideia de criar este grupo «surge no contexto da revisão do plano de contingência para a COVID-19». Assim, «pretende-se constituir uma bolsa de voluntários que, em situação de agravamento do quadro epidemiológico nas freguesias da área de atuação do CASSAC», possa servir de retaguarda à instituição. «Existem alguns cenários que não podemos descurar e perante os quais nos queremos antecipar e este grupo poderá ser uma solução eficaz para tentar minimizar o impacto da COVID-19 a nível local, sobretudo na população idosa», conclui ainda a responsável.

Entre as situações em que este grupo pode ser acionado, Margarida Pires inclui: «Se os utentes que testam positivo à COVID-19 cujo quadro clínico não requer hospitalização, precisam de um acréscimo de cuidados ou até novos serviços; se os utentes infetados não tiverem retaguarda familiar; para familiares cuidadores de utentes que testam positivo à COVID-19, o que impossibilita a prestação de cuidados às pessoas idosas; se houver o aumento do número de casos entre as pessoas idosas da comunidade que pode levar a um acréscimo dos pedidos de apoio e se os colaboradores testarem positivo à COVID-19». Este grupo é dirigido «a todas as freguesias da área de atuação do CASSAC» e o objetivo, diz a diretora técnica, é «congregar esforços e sinergias para em conjunto, fazer mais e melhor pela comunidade».

Estes voluntários poderão ser «integrados através da medida do IEFP – Apoio ao Reforço de Emergência de Equipamentos Sociais e de Saúde» e as tarefas que vão desenvolver serão adequadas «ao perfil dos mesmos nos vários setores da instituição». Ainda assim, acrescenta Margarida Pires, o CASSAC está «a ponderar a possibilidade de poderem apoiar noutras funções» fora do âmbito da IPSS, como «o apoio na aquisição de bens ou simplesmente efetuar um contacto telefónico com as pessoas idosas». A iniciativa é muito recente e a associação divulgou apenas no dia 6 de novembro que está a aceitar voluntários, por isso é difícil, para já, avaliar a recetividade das pessoas. A responsável deixa um apelo para que as pessoas se voluntariem, fazendo «a diferença na vida de cada pessoa».