Início » Castelo de Porto de Mós recebe quase 27 mil pessoas em 2022

Castelo de Porto de Mós recebe quase 27 mil pessoas em 2022

20 Fevereiro 2023
Isidro Bento

Texto

Partilhar

Isidro Bento

20 Fev, 2023

No ano passado, o Castelo de Porto de Mós recebeu 26 806 visitantes, o que representa um aumento de 13% face ao ano anterior (23 473) e de 69,3% quando comparado com o de 2017 (15 832), o último em que o ex-líbris concelhio funcionou sem qualquer tipo de constrangimento. Trata-se do maior número de entradas desde que o registo começou a ser feito.

De acordo com dados revelados na última reunião de Câmara pública pelo vice-presidente e vereador da Cultura, Eduardo Amaral, nos últimos seis anos apenas o de 2018 foi de perda significativa (8 016), resultados a que não será alheio o facto de o monumento ter estado encerrado para obras durante nove meses. No ano seguinte, apesar de ter aberto portas apenas a partir de abril, o número disparou para 20 799. Com a chegada da pandemia desceu para 19 867 em 2020, voltando a subir em 2021 com 23 473 visitantes.

Olhando para estes dados, Eduardo Amaral diz tratar-se de «um salto muito grande mesmo em comparação com 2021», em que houve o registo de menos 3 333 entradas. Além de realçar que nos anos de pandemia o número de visitantes atingiu níveis assinaláveis, o responsável autárquico revela que em 2022 a quantidade de eventos realizados no Castelo «aumentou e muito» e com estes, o de participantes, tendo também aí sido batido o recorde. Outro pormenor destacado é que houve entre 1 400 e 1 500 pessoas do concelho a participar, o que o deixa bastante satisfeito. Em termos absolutos foram registadas 1 356 entradas em eventos públicos e particulares, o que representa cerca de 5% do número total de entradas.

Sem surpresas, o mês de agosto foi aquele em que o monumento recebeu mais visitantes (5 522), mesmo assim a diferença relativamente a julho e a setembro do mesmo ano, não deixa de impressionar: em julho houve 2 355 visitas e em setembro, 2 381, portanto, menos de metade que no mês recorde. Segundo o autarca, muitos dos visitantes são crianças que participam ao longo do ano nas atividades que integram o projeto educativo do Castelo. Com as escolas de férias, agosto é, claramente, o mês dos turistas.

Por nacionalidades, Portugal domina destacado: 80% dos visitantes são nacionais (20 428). Segue-se o Brasil, 6%, e Espanha e França com 4%. Dos visitantes, 93% são oriundos da Europa, 6% da América do Norte e 1% da América do Sul.

Com a entrada de mais gente, aumentaram, naturalmente, as receitas de bilheteira. Assim, enquanto que em 2017 as entradas pagas corresponderam a 17 558 euros, em 2022, foram de 29 212 euros. Em 2022, houve o registo de 22 249 entradas de público geral e 1 224 de público escolar. A título de curiosidade refira-se que nesse ano a Câmara isentou do pagamento de bilhete a 2006 pessoas para poderem participar em eventos, comemorações de efemérides e na sequência de parcerias com associações e outras entidades.

As vendas em loja também têm vindo a subir passando de 3 425 para 6 470 euros. Relativamente a 2021, houve um aumento da receita global de 17,6%. Somando o valor das entradas com o da venda em loja chega-se a 35 682 euros, «o que dá quase para pagar o salário dos funcionários que contratámos», sublinha Eduardo Amaral. «Por vezes é fundamental investir em recursos humanos, pois é também por aí que se consegue gerar receita. Vimos isso através do projeto educativo implementado, mas também no próprio castelo», frisa o vereador da Cultura, acrescentando que «o Castelo, mais do que a palavra Porto de Mós, é o único que nos pode identificar a todos. É uma referência para todos nós e deve ser, por isso, a nossa grande aposta», diz.

Depois do Município, nas últimas obras ali realizadas, ter procurado tornar aquele monumento nacional acessível a pessoas com diversos tipos de deficiência, Eduardo Amaral anunciou na reunião de Câmara que o esforço em o tornar inclusivo vai passar por, a par dos «audioguias em português, inglês e francês, haver também a visita acompanhada em língua gestual».

Voltando a olhar para os dados estatísticos apresentados pelo vereador e pelos que constam do Relatório de atividades no âmbito do património cultural 2022, constatamos que a maior fatia das 2 305 visitas de grupo vai para as escolas (54%), seguindo-se as associações (27%), os operadores turísticos (10%) e os grupos organizados (9%). Face a 2021, houve um aumento global de 26%.

Foto | Jéssica Moás de Sá

Publicidade

Este espaço pode ser seu.
Publicidade 300px*600px
Half-Page

Primeira Página

Em Destaque