Foto: Armindo Vieira

O Centro Cultural e Recreativo D. Fuas (CCR D. Fuas), da Fonte do Oleiro, conta com um novo piso sintético no Pavilhão Desportivo Artur Meneses, resultado de uma candidatura ao Programa de Reabilitação de Instalações Desportivas 2019 (PRID), do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), cuja inauguração oficial teve lugar no passado dia 2.

Presentes na cerimónia, além dos elementos diretivos do clube, o presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós, que se encontrava acompanhado do vice-presidente e responsável pelo Desporto, Eduardo Amaral, o presidente da Junta de Freguesia de Porto de Mós, Manuel Barroso, e da vice-presidente da Associação de Futebol de Leiria, Mónia Costa.

Durante a manhã, cerca de meia centena de atletas da classe Traquinas, em representação dos clubes Associação Recreativa, Cultural e Desportiva da Mendiga, Condestável Atlético Clube, Grupo Recreativo de Serro Ventoso e União Recreativa Desportiva Juncalense, disputaram o 5.º Encontro Distrital Traquinas.

Após a bênção do piso, a que presidiu o pároco de Porto de Mós, padre José Alves, coube a Alexandre Inácio, presidente do clube em festa, explicar que o piso agora inaugurado oficialmente, fora «objeto de uma candidatura que foi aprovada e veio melhorar significativamente as condições para a prática desportiva das equipas». O responsável aproveitou para lançar um apelo, para «que venham ao pavilhão apoiar as equipas», uma vez que «assim também ajudam a coletividade».

Um desfibrilhador para o clube

Por sua vez, Jorge Vala, referiu que se tratou de um investimento significativo em que «a candidatura aprovada cobria cerca de um terço do custo do piso», tendo o Município «contribuído com a diferença, ou seja cerca de dois terços», sendo que agora «este pavilhão fica com um piso de última geração, que acrescentará valor aos atletas que aqui praticam desporto».

Depois de explicar que é prática do Município que dirige, «apoiar instituições que têm desporto federado, sobretudo quando têm equipamento próprio e não reúnem condições para a prática do desporto», o autarca adiantou que «é assim que deve acontecer», construir a casa de baixo para cima e as «últimas coisas são sempre as mais necessárias».

Vala anunciou também que «ainda este ano», está previsto «equipar este pavilhão com um equipamento em que se inclui desfibrilhador, para a eventualidade de acontecer alguma» e se estar «preparado para uma primeira intervenção». Além da instalação do equipamento, «este investimento inclui a formação do pessoal».

Em declarações ao nosso jornal, à margem da cerimónia, Alexandre Inácio afirmou tratar-se de «um investimento de cerca de 35 mil euros, comparticipado pelo IPDJ em 15 mil e a Câmara contribuiu com restante», no entanto «há ainda mais algumas coisas a pagar».