Porto de Mós vai ter um Centro Municipal de Marcha e Corrida. O protocolo para a criação deste centro foi celebrado entre a Câmara Municipal e a Federação Portuguesa de Atletismo (FPA) no passado dia 20 de dezembro, aquando da apresentação do projeto. A coordenação ficará a cargo da Associação Porto de Mós a Correr.

Na cerimónia de apresentação, que teve lugar na Tenda de Natal instalada na vila sede de concelho, o responsável pelo Programa Nacional de Marcha e Corrida, Pedro Rocha, que não esteve presente, deixou uma mensagem, lida pelo diretor técnico nacional de marcha, Carlos Carmino, em que começou por parabenizar a Câmara Municipal “por conseguir concretizar o objetivo” de criar este centro, acrescentando que há cerca de 70 em todo o país. Este Centro disponibilizará “um serviço qualificado para a prática regular da atividade física, visando a promoção da saúde e a melhoria da qualidade de vida”, explicou o responsável acrescentando que “os percursos para a realização das caminhadas e corrida rurais e citadinos são extremamente agradáveis” e “os técnicos do centro estão preparados para assegurar qual o treino mais adequado”.

Carlos Carmino afirmou que Porto de Mós “tem estado na linha da frente relativamente à marcha atlética no distrito de Leiria” e que o Grupo Desportivo das Pedreiras é um clube “de referência” na modalidade, que “tem já alguns jovens marchadores premiados”. O diretor Técnico Nacional disse ainda que a FPA e a Associação Distrital de Atletismo de Leiria (ADAL) vão apoiar “este clube e este Município de modo a que consigamos mais jovens para a prática do atletismo, mais jovens que saibam praticar marcha atlética”.

Na cerimónia esteve também o vice-presidente da FPA, Luís Figueiredo, que referiu que “o atletismo é transversal a todas as idades, coisa que não existe noutras modalidades” e que, também por isso, deve “ser apadrinhado por todos os Municípios”. Luís Figueiredo considerou que Porto de Mós está a dar exemplo disso mesmo com a criação deste Centro. O vice-presidente deixou ainda o desejo de que “o coordenador do projeto consiga desenvolvê-lo de modo a que, daqui a dois ou três anos, se possa dizer que Porto de Mós é líder de adesões na marcha e na corrida”.
A encerrar a sessão, o presidente da Câmara, Jorge Vala, explicou que o protocolo assinado não tem qualquer custo para nenhuma das partes e que é apenas “um protocolo de colaboração simples, que afirma a disponibilidade do Município e da FPA no sentido de podermos ter aqui uma escola de âmbito global, ou seja, para todos, uma vez que o atletismo não tem condicionantes de idade”.

catarina correia martins | texto
jéssica Sá | foto