O Município vai ter dois mil testes rápidos na próxima semana, prevê o presidente da Câmara. Os meios de diagnóstico destinam-se sobretudo à população da “primeira linha”: «Profissionais de saúde, professores, alunos em situação de sala de aula, Instituições Particulares de Solidariedade Social», explificou Jorge Vala. Os testes vão ser adquiridos pela Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria (CIMRL), com «o contributo de todos os Municípios» que quiseram aderir: «Vamos adquirir uma quantidade de testes, que ainda não sei qual é no total, que serão parcialmente entregues aos Municípios e será também constituída uma reserva da CIMRL para alguma eventualidade, para socorrer algum Município». Dos testes adquiridos vão ser «entregues aos municípios 50% e os restantes constituem a bolsa na Comunidade Intermunicipal», esclarece Jorge Vala.

A empresa fornecedora dos testes rápidos é a Abbott e o teste em causa «é idêntico ao teste feito nos laboratórios, através da zaragatoa». Sempre que houver sintomas, «por exemplo num lar, a instituição terá testes para poder responder e ao fim de 15 ou 20 minutos» sabe-se o diagnóstico. Mesmo que a CIMRL não adquirisse estes testes, era objetivo do Município fazê-lo de forma independente, para «evitar o pânico, boatos e desinformação»: «O grande objetivo é evitar a ansiedade dos dois dias que demoram os testes normais, há pessoas à espera há duas semanas para fazer o teste e tendo esta resposta ela passa a ser de uma eficácia completamente diferente», frisa o presidente.