A Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria (CIMRL) aprovou, na passada terça-feira, dia 19, um plano de ação para a execução de medidas de ordenamento florestal e vai solicitar ao Governo o reforço de incentivos para minimizar «as significativas perdas materiais» nos concelhos mais afetados pelos incêndios florestais na região de Leiria, como Leiria, Pombal, Alvaiázere e Ansião, onde arderam «mais de 12 500 hectares», refere uma nota de imprensa.

Para os autarcas da região, «a abrangência e a escala de destruição» das sucessivas vagas de incêndios na região de Leiria tornam «necessário» que se tomem medidas concretas e concertadas no sentido de recuperar as áreas ardidas, através de «um plano coerente», sem «medidas avulsas ou isoladas». Tendo em conta toda a destruição registada na região – que até à data representava 30% do valor total da área ardida em Portugal -, a CIMRL defende que esta oportunidade «não pode ser mais adiada» e exige que o Programa Regional de Ordenamento Florestal do Centro Litoral seja revisto e adaptado à realidade atual: «Por haver mais 12 500 hectares ardidos, a que se somam mais de 100 mil hectares de área ardida resultante dos incêndios de 2017, e que precisam urgentemente de um correto ordenamento florestal, parece-nos ser inquestionável a necessidade de garantir uma resposta adequada a esse ordenamento», frisa a CIMRL, na mesma nota.

Foto | Agência Lusa