“Praia Verde” marca a estreia de Cláudia Franco a cantar em português (foto: Isidro Bento)

Esgotar a lotação de uma sala não é algo que esteja ao alcance de qualquer artista, consegui-lo duas vezes num único fim de semana, é obra. Pois bem, foi precisamente isso que Cláudia Franco, cantora e compositora de jazz, natural de Porto de Mós, conseguiu.

O duplo espetáculo em que iria partilhar o palco com Paulo Bernardino e Augusto Baschera, no âmbito do 37º Festival Música em Leiria, foi anunciado no último dia do ano de 2018 e dois meses depois, o Orfeão de Leiria, a entidade promotora, voltava à carga, desta vez para anunciar que já não havia bilhetes disponíveis. A 4 de março, nova comunicação: perante tamanha procura, em vez de um, iriam ter lugar dois concertos.

«Sem pôr em causa o grande valor da dupla Paulo Bernadino/ Augusto Baschera, músicos em plena ascensão no panorama musical nacional”, quem conhece bem esta área musical, explicou ao nosso jornal que muito do interesse que o espetáculo gerou se justifica pela presença de Cláudia Franco, «voz revelação do jazz nacional, que se faz acompanhar de alguns dos melhores músicos nacionais, gente de topo mesmo» e de estar anunciada a apresentação, em estreia, do seu segundo álbum – “Praia Verde” – depois de um muito promissor “Soul Dance”. Acresce a isto, «o facto do concerto decorrer numa das mais improváveis salas de espetáculos do país», uma das galerias das Grutas de Mira de Aire, a cerca de … metros de profundidade, «espaço de beleza ímpar e com uma excelente acústica». O ser da região terá reforçado o interesse do público leiriense.

A expectativa era grande mas Cláudia Franco esteve à altura do desafio e cedo o público (duas centenas de pessoas por noite) se rendeu ao encanto da sua extraordinária voz e a uma performance sentida e irrepreensível, aplaudindo também a sua estreia nas composições em português.

No final do concerto inaugural, Acácio de Sousa, presidente do Orfeão, referiu que o Festival Música em Leiria ao promover este espetáculo em parceria com o município de Porto de Mós, procurou «dar uma oportunidade a que mais pessoas conheçam estes excelentes talentos da região e fê-lo no espaço mágico que são as Grutas de Mira de Aire».
Por sua vez, o presidente da Câmara, Jorge Vala, disse que «neste regresso do Festival ao concelho, após vários anos de ausência, procurou-se apostar em artistas da região e num palco enigmático para proporcionar um concerto improvável mas de enorme qualidade, como se confirmou». O autarca aproveitou, ainda, para agradecer a Cláudia Franco por ter escolhido o concelho de onde é natural e onde reside, para apresentar este novo álbum.