A Associação Mulher Século XXI está a desenvolver uma campanha de combate à violência sexual, através da qual pretende «sensibilizar e chamar a atenção» para esta temática que considera ser um «problema grave» e que está inserida na violência doméstica. «Sensibilizar sobre a importância da denúncia e prestar informação sobre os direitos das vítimas de violência sexual, sobre como podem pedir e prestar ajuda em situações de violência sexual, incentivando a denúncia e reforçando a importância de estarmos atentos e conscientes de que cabe a cada um de nós fazer a diferença» é o objetivo, sublinha a associação, na sua página de Facebook. «Muitos dos casos que nos chegam têm, realmente, a ver com violência sexual e por isso, quando colocámos este projeto em prática foi com o objetivo de dar visibilidade a este tema.

Devíamos de falar mais sobre disto», defende, em declarações ao nosso jornal, Susana Pereira, presidente da associação sediada em Leiria.
A campanha, já em marcha, contempla duas vertentes, uma dirigida ao público em geral e a outra para um público mais específico. A primeira será concretizada através da colocação de mupis nos 16 municípios do distrito de Leiria, com uma imagem de um gesto feito com a mão que significa um pedido de ajuda e que já é utilizado em muitos países: «O sinal é levantar a mão com a palma para fora e depois fechar com um dedo por baixo, com o polegar por baixo dos restantes dedos», explica, acrescentando que o objetivo é que toda a gente esteja familiarizada com esse sinal para que consiga entender quando alguém estiver a pedir ajuda.

A segunda vertente da campanha, de nome Perguntem pela Eva, dirige-se «essencialmente a vítimas ou potenciais vítimas» e será concretizada através da colocação de cartazes em «sítios estratégicos» junto a locais de diversão noturna onde constarão mensagens de alerta que levem esse público a pensar. Susana Pereira revela, ainda, que em cada um desses cartazes irá estar disponível um QR Code para que quem precise, encoste o telemóvel e possa, de imediato, pedir ajuda.

Campanha inédita junta distrito numa única plataforma

Esta campanha, coordenada pela Associação Mulher Século XXI, está enquadrada na RIIVD – Rede Integrada de Intervenção na Violência Doméstica do Distrito de Leiria, um projeto que mereceu a aprovação do Governo e que junta «pela primeira vez um distrito inteiro numa plataforma informática que permite que se fale à distância». Desta Rede fazem parte «30 entidades parceiras de todos os municípios do distrito de Leiria» – Segurança Social, Ministério Público, forças de segurança, entre outras – que têm como objetivo «reforçar, partilhar conhecimentos e saberes». «Criar formas de trabalho que nos consigam dar melhores resultados num curto espaço de tempo» é, segundo Susana Pereira, outra das grandes ambições desta Rede. «Se nos juntarmos e conseguirmos ter pessoas dentro de cada entidade com quem possamos falar numa emergência, iremos resolver as coisas de uma forma muito mais adequada, muito mais célere», explica.

A presidente da Mulher Século XXI afirma que ainda não existe uma data definida para o término da campanha mas adianta que o objetivo da Rede é que possa estar nas ruas «o maior tempo possível». Por outro lado, deixa em aberto a possibilidade da Rede não terminar com este projeto: «Pretendemos que tenha continuidade para além do projeto, porque está muito trabalho feito. Tudo o que se fez até agora é ganho e não vale a pena deixarmos que se perca», considera.

Com Rita Batista