Pela primeira vez em vários meses, Porto de Mós acordou hoje com a notícia de que já não existem casos ativos do novo coronavírus no concelho. Segundo consta do boletim diário da Comissão Distrital de Proteção Civil de Leiria desta sexta-feira, dia 21 de agosto, o concelho de Porto de Mós registava até ontem, desde o início da pandemia, 27 casos confirmados de COVID-19, 26 encontravam-se recuperados da doença e existia ainda um óbito a lamentar.
Em declarações a O Portomosense, o presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós, Jorge Vala, mostra-se satisfeito com a notícia, no entanto, pede cautela. «Esta é uma situação que nos deixa satisfeitos, mas que não nos pode deixar de todo tranquilos. Até porque os últimos casos têm sido casos importados», afirma.

O autarca fez ainda questão de sublinhar a atitude dos portomosenses perante o combate da pandemia, ressalvando a enorme responsabilidade que a população tem mostrado desde o início. No entanto, adverte: «Estamos, ao mesmo tempo, crentes que havendo pandemia estamos naturalmente sujeitos a que possamos vir a ter novos casos mas, de preferência, é não os ter».

Em pleno gozo de férias fora do concelho, Jorge Vala descreve aquilo que tem sido a sua experiência em espaços comerciais como «cafés e restaurantes» onde, garante que se «notam muitas diferenças» relativamente àquilo que é a realidade de Porto de Mós, adiantando que em alguns locais por onde já passou existe «muita falta de cumprimento, pouca atenção e comunidades pouco responsáveis».

O presidente da Câmara fez ainda questão de voltar a apelar à população para que «não baixem a guarda» porque, segundo justifica, é «muitas vezes na circunstância de baixar a guarda que podemos vir a ter novos casos e cada novo caso é sempre um problema, quer para as pessoas que estão infetadas, quer para as famílias, quer para toda a comunidade. Melhor do que estarmos na situação que estamos, é difícil», conclui o autarca.