O Cineteatro de Porto de Mós acolheu no dia 22 de março, mais uma edição do Concurso Municipal de Ideias de Negócio, no âmbito do projeto Empreendedorismo nas Escolas da Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria (CIMRL). A concurso estiveram oito projetos de 21 alunos do 3.º ciclo e o mesmo número no ensino secundário, pertencentes ao Agrupamento de Escolas de Porto de Mós (AEPMOS) e ao Instituto Educativo do Juncal (IEJ). O desenvolvimento destas ideias começou em janeiro com o auxílio da GesEntrepreneur, uma empresa de empreendedorismo sustentável que realizou ações nas escolas. Nestes workshops iniciais participaram 17 turmas do terceiro ciclo e secundário envolvendo 16 professores e 342 alunos. No entanto, tiveram de ser selecionados apenas oito projetos de cada grau de ensino para chegar a concurso.

«Temos a consciência que o futuro do nosso país, da nossa região e do concelho passa muito por vós e pela capacidade que tivermos de perceber a importância que têm as vossas ideias», afirmou o presidente da Câmara, Jorge Vala, dirigindo-se aos jovens presentes, “abrindo” assim o concurso. O autarca foi um dos três membros do júri, composto ainda pela subdiretora da Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Marisa Dinis, e do engenheiro e administrador de uma empresa do concelho, Flávio Cardoso. Os jurados tinham como critérios de avaliação dos projetos cinco itens: grau de inovação; exequibilidade; qualidade da apresentação; desenvolvimento da ideia e impacto para o território da CIMRL. Foram entregues prémios aos três primeiros classificados de cada grau de ensino sendo que o terceiro lugar recebeu 50 euros no Cartão 360 Porto de Mós, ao segundo foram atribuídos 75 euros em cartão e os vencedores, além de receberem 100 euros neste cartão, vão ainda representar Porto de Mós nas finais intermunicipais. A Final Intermunicipal do 3.º ciclo realiza-se em Castanheira de Pera a 5 de abril e a final do secundário está marcada para amanhã na Batalha.

No 3.º ciclo todos os projetos vencedores partiram de grupos do IEJ. O primeiro lugar foi conquistado pelo projeto Conquista(Mós) das alunas Iara Ferreira, Laura Silva e Leonor Alves e consiste num jogo de tabuleiro baseado na história e geografia do concelho. A medalha de prata foi para o projeto Guiding Star de Catarina Fróis, Denise Estrelinha e Sofia Silva e, segundo as jovens, pretende responder «a uma lacuna do atual ensino português» que não responde a questões como: o que é o IRS, o que são impostos ou como me candidato a um trabalho. «Vamos trabalhar com projetos e palestras com voluntários já reformados e com vasta experiência nestas áreas», explicam. A fechar o pódio está o projeto Portuguesia idealizado por Guilherme Silva que tem como objetivo «criar uma rede de distribuição de produtos de todos os pontos de Portugal» onde o caseiro e artesanal é priorizado.

Quanto ao ensino secundário, vai ser representado pelo projeto PM Work dos alunos Carolina Silva, Duarte Oliveira e Guilherme Santos do AEPMOS que pretendem criar «uma plataforma digital em que se disponibiliza a procura e oferta de emprego». No segundo lugar também uma plataforma – a Future Match – de Francisco Costa, José Lucas e Ângelo Soares igualmente do agrupamento. «Como estudantes pensamos que seria importante a existência de uma plataforma com toda a informação que remete para cursos superiores e de ensino secundário», referiram os jovens. A ideia é criar uma plataforma com toda esta informação, onde se podem criar perfis (de estudante, universitário e profissional). Ao fazer um perfil são dadas informações pessoais e/ou profissionais que permitem encontrar um “match” perfeito com alguém que poderá ser útil na disponibilização de informação. Sónia Paulo imaginou a Turi-Mós e com esta ideia conquistou o terceiro lugar. A aluna do AEPMOS quer “oferecer” «conhecimento à distância de um clique», através de uma aplicação «na qual se pode decorar todo o concelho através de percursos com roteiros áudio-guiados, percursos na Natureza e quizzes onde se pode ganhar vouchers de desconto para utilizar no comércio local». Esta aplicação iria permitir também ter acesso a «recriações dos cenários históricos».

No final, a vereadora da Educação, Telma Cruz, deixou um agradecimento aos alunos «pela participação»: «Se vocês não tiverem vontade, mesmo que os professores digam para pensarem numa ideia, é muito difícil concretizar», frisou, sublinhando ainda a importância destes projetos no futuro destes jovens. A vereadora agradeceu de seguida aos professores por acolherem «com dedicação e energia» este concurso e também à equipa da GesEntrepreneur por «trabalhar com os professores e alunos para terem as melhores ferramentas possíveis». A terminar, Telma Cruz dirigiu uma palavra de agradecimento ao júri.

Fotos | Jéssica Moás de Sá