Foi aprovado em reunião de câmara o Regulamento do Conselho Municipal de Desporto de Porto de Mós (CMD), depois de estar em consulta pública e sem qualquer alteração ao projeto inicialmente proposto. Sujeito ainda à aprovação da Assembleia Municipal, o órgão passará assim a existir no concelho, com o propósito de «promover o desporto nas suas diferentes áreas de intervenção social»; «promover a participação dos diversos agentes e organizações desportivas locais na análise e implementação de estratégias de desenvolvimento desportivo local»; «fomentar a prática desportiva»; «promover o desenvolvimento e contribuir para a evolução da prática e política desportiva municipal»; «promover iniciativas sobre desporto e estilos de vida saudáveis»; e «emitir pareceres» que depois podem ou não ser aceites pelos órgãos municipais.

Este «órgão consultivo» vai reunir, de forma ordinária, duas vezes por ano, em janeiro e em setembro, e é composto pelo presidente da Câmara, que preside também ao CMD, pelo vereador do Desporto, no caso também vice-presidente da Câmara, Eduardo Amaral, um elemento da «estrutura orgânica municipal da área desportiva», um representante do Desporto Escolar, nomeado pelo Agrupamento de Escolas, um representante da atividade física e desportiva, relativo ao 1.º Ciclo, no âmbito das Atividades Extra-Curriculares, um representante de cada associação desportiva, um elemento eleito pela Assembleia Municipal, assim como um representante dos presidentes de Junta eleito pelo mesmo órgão, dois elementos «de reconhecido mérito desportivo do concelho de Porto de Mós», escolhidos anualmente pelo CMD, e um representante dos ginásios do concelho, que mudará de ano para ano. Os membros são designados pelo período coincidente com os mandatos autárquicos, «exceto quando perderem a qualidade que determinou a sua designação» e nos casos já referidos em que a sua nomeação vigora apenas por um ano.

De acordo com a nota justificativa que abre o documento, o Município «entende que as associações desportivas desempenham uma importante função social, não só na inestimável contribuição para o desenvolvimento do desporto como, para o lazer e ocupação dos tempos livres». Em sequência disso mesmo, «pretende reforçar o fomento da prática associativa através da concertação de iniciativas e da participação ativa dos representantes do movimento associativo desportivo do concelho». Este novo órgão criado, apesar de ser apenas consultivo, vai contribuir para uma «análise e o debate participado, concorrendo para o desenvolvimento sustentado e para a implementação de estratégias desportivas de acordo com a vontade, os meios, a racionalidade de aplicação dos recursos e o empenho, quer dos agentes desportivos concelhios quer dos responsáveis municipais».