Chegou ao fim mais uma edição do Orçamento Participativo (OP) de Porto de Mós. Depois de vários meses, eis que o vencedor da 3.ª edição foi conhecido durante a tarde de ontem, dia 14. Das seis propostas a votação, aquela que arrecadou mais votos, um total de 612, foi o projeto de Susana Alexandre Reis: “Preservar o Património é Preservar a Identidade do nosso Concelho: Conservação e Restauro da Talha Dourada da Antiga Igreja Matriz de Mira de Aire”.

Em segundo lugar, mas a longa distância, com 354 votos, ficou o projeto “Requalificação da Lagoa da Portela do Vale de Espinho”, cujo proponente era Gonçalo Costa Cordeiro. No terceiro lugar do pódio, esteve o projeto da autoria de Cristóvão Amado: “Via Pedonal da Lapa – Alqueidão da Serra” que contabilizou um total de 237 votos. A proposta “Horta Comunitária de Porto de Mós”, da autoria de Patrícia Cordeiro Santos, ficou em quarto lugar com 32 votos. “Plantação de Plantas e Arbustos nos Terrenos Baldios na Área do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros”, cujo proponente foi José Carlos de Jesus Bértolo, arrecadou o quinto lugar com 15 votos. Em sexto e último lugar ficou a proposta do “Banco Local de Voluntariado”, de Rui Pedro Louro Durão, com apenas 11 votos.

A revelação foi feita durante a cerimónia de inauguração do projeto vencedor de 2019, o Ginásio da Escola Secundária de Mira de Aire e que contou a presença de diversas personalidades, entre as quais, a secretária de Estado da Educação, Inês Ramires.

Nota: Leia o artigo completo na próxima edição d’O Portomosense, nas bancas a 22 de dezembro