O Centro Paroquial de Assistência do Juncal (CPAJ) que se tem evidenciado no apoio à infância e à família acaba de lançar mais um projeto, o Felizidade. Destinado a «senhores e senhoras chamados avós», nasce da perceção de que faltam, no concelho, respostas que promovam «o bem-estar social, a qualidade de vida e a sã convivência», dos seniores não residentes em lares, nem a frequentar centros de dia.

Mês e meio após a inauguração das instalações onde está a funcionar o projeto juvenil Porto Jovem, o CPAJ assume mais um desafio desta vez a pensar nos idosos aproveitando aquele local e os respetivos recursos tecnológicos e humanos mas, naturalmente, agora, com uma abordagem direcionada para os mais velhos. «Percebemos que há muitas pessoas isoladas, com falta de interação social, situação que se agravou bastante durante a pandemia, e tal como temos um espaço lúdico com jovens, achamos que é importante ter um outro para pessoas idosas», explica o diretor da instituição, Lúcio Alves. «É justo, pertinente e vai ao encontro daquilo que são os nosso estatutos e, tendo nós uma equipa motivada e alinhada com essas necessidades, faz todo o sentido criar esta resposta pontual», sublinha.

O espaço, no centro da vila do Juncal, é e continuará a ser ponto de encontro entre jovens, mas desde o dia 9, abre as suas portas aos idosos que terão ali a possibilidade de conviver, partilhar histórias e aprender. A mediação fica a cargo de Bárbara Morgado, Maria Machado e Stefani de Vmieze, as três jovens técnicas de Serviço Social que dão a cara por ambos os projetos. «Estamos abertos de segunda a sexta-feira das 10h30 às 19h30, mas como os miúdos só aparecem a partir do meio dia e meia, achámos por bem aproveitar algumas manhãs e um espaço que não estava a ter utilização plena para trabalhar com idosos. Pomos, assim, em prática uma ideia que até agora não tinha sido possível concretizar por limitações financeiras e falta de um sítio adequado», justifica Bárbara Morgado. «O facto de durante este mês termos recebido a visita (espontânea) de vários idosos e de nos terem perguntado quando é que arranjávamos uma coisa idêntica, adaptada à sua idade, confirmou a convicção de que faltava algo para esta faixa etária», frisa.

O projeto «é experimental e irá depender muito da adesão que tiver» por parte do seu público-alvo. A abordagem será informal e a oferta de atividades, variada e adaptada aos interesses dos participantes. Embora sediado no Juncal está aberto a seniores de todo o concelho havendo a possibilidade da instituição disponibilizar transporte para quem não tenha forma de lá chegar pelos seus próprios meios.

«Vamos promover alguma literacia na área digital de forma a potenciar o interesse e a adesão da pessoa idosa às novas tecnologias para que possa, por exemplo, comunicar com filhos e netos que vivam distantes. Iremos criar ateliês, alguns até de recriação de artes e ofícios tradicionais do concelho e queremos que haja um espaço de convívio e de partilha onde possam trazer histórias de vida e recuperar memórias», reforça Lúcio Alves, deixando claro que todas estas ações visam valorizar a pessoa idosa, o seu papel na sociedade e tudo aquilo com que contribuiu para a comunidade. «É chegada a altura de lhe retribuir esse contributo», frisa o responsável. A primeira atividade será uma ida a Fátima para participar nas cerimónias religiosas do 13 de Maio.
O espaço funciona todas as segundas, terças e quintas-feiras das 10h30 às 12h30. A participação é gratuita, mas carece de inscrição. Os interessados deverão contactar as responsáveis através do número 914 957 508.

Foto | Isidro Bento