Início » Derrama desce para as empresas com menos lucros

Derrama desce para as empresas com menos lucros

17 Novembro 2021
Isidro Bento

Texto

Partilhar

Isidro Bento

17 Nov, 2021

Depois de no ano passado a Câmara ter decidido isentar as empresas do pagamento de Derrama relativo ao exercício económico de 2021, este ano, regressa a cobrança (a aplicar em 2022) mas com uma redução relativamente à última vez em que isso aconteceu. Para empresas com um volume de negócios superior a 150 mil euros mantém-se a taxa normal de 1,3% sobre o lucro das mesmas. Já aquelas com uma faturação igual ou inferior a 150 mil euros passa dos 0,9% para os 0,45%.

Perante esta proposta, o vereador do PS, Paulo Nobre, quis saber o porquê de se propor 0,45% e não zero, respondendo o presidente da Câmara que a isenção aconteceu, de facto, no ano anterior mas por força da COVID-19.

«Neste momento, a economia começou a retoma e nós temos uma obra importantíssima para fazer e a Derrama serve também para investir ou para ser um contributo ao investimento e é com base nesse contributo ao investimento que nós não estamos a ir aos 0,9% que existiam [antes da pandemia] mas deixar aqui o meio termo, de alguma forma a dizer que estas empresas continuam a ser importantes e que para nós é também importante que tenham lucro» justificou Jorge Vala.

O autarca recordou que esta taxa «incide apenas sobre o lucro das empresas e não sobre a faturação», o que limita logo à partida quem é chamado a dar o seu contributo. Para o autarca isto faz do Município de Porto de Mós «um dos mais “colaborativos” com o tecido empresarial porque a generalidade aqui à volta tem taxas de derrama superiores» [por lei pode-se ir até a 1,5%].

«Não estamos a carregar muito naqueles que têm lucro, parece-me um valor ajustado, não queremos ir por aquela ideia “ah, as coisas estão a melhorar, vamos passar ao que tínhamos antes”, achamos que o meio termo se justifica. Estamos a falar de um arrecadar de receita que não chega a 100 mil euros», acrescentou.

Ouvidas as explicações, Paulo Nobre não se deu por convencido:« Se não é um valor assim tão grande [o que a Câmara vai receber] penso que seríamos diferenciadores em relação a outros municípios [se se mantivesse a isenção]. Não sei se essa isenção não seria um forte incentivo às empresas para poderem investir o lucro na própria empresa. Para mim não faz sentido estar lá 0,45% mas zero, até porque as empresas têm, pelo menos, um semestre sob os efeitos da pandemia», frisou.

Em resposta, o presidente da Câmara recordou que relativamente a 2021 a taxa está a zeros, sendo que o valor que está a ser fixado agora se aplicará apenas em 2022, e que a Câmara vai entrar em fortes investimentos e por isso não pode prescindir desta verba. De acordo com a proposta, a Derrama a arrecadar destina-se «a dotar o Município dos recursos necessários para fazer face às diversas obras financiadas ao abrigo do “Portugal 2020” e do ambicioso e ambicionado PPR – Plano de Recuperação e Resiliência especialmente na parte da contrapartida nacional, de onde se destaca a ampliação da ALE de Porto de Mós e a Central Termoelétrica».

Feita a votação a Derrama para 2022 foi aprovada por unanimidade.

Publicidade

Este espaço pode ser seu.
Publicidade 300px*600px
Half-Page

Primeira Página

Em Destaque