Em Mira de Aire, no largo da igreja, o dia 30 de abril começou com atividades promovidas pela corporação de bombeiros. O Portomosense esteve neste dia aberto, que decorreu das 10 às 19 horas, e no qual foram demonstradas algumas das atividades que os bombeiros executam no seu dia-a-dia. «Aproximar as pessoas da associação e dar-lhes a conhecer as valências dos bombeiros» foi o que motivou este dia aberto, segundo explicou o comandante do corpo de bombeiros de Mira de Aire, Hélder Gonçalves.

No total, estiveram presentes 22 elementos empenhados em ensinar às pessoas suporte básico de vida, posição lateral de segurança, em fazer rastreios de saúde gratuitos à população e em apresentar ainda os equipamentos e veículos disponíveis, desde ambulâncias a carros pesados de incêndio. O dia de sol foi chamativo para os mais pequenos irem brincar para o parque infantil, junto ao largo da igreja, mas mais do que brincar no escorrega e nos baloiços , as crianças quiseram perceber o que estava ali a acontecer e fizeram uma visita aos veículos de socorro. «O sonho da minha vida é ser bombeira», «eu também gostava de um dia ser bombeiro», «eu queria conduzir uma ambulância», foram as respostas dadas pelas crianças, questionadas pel’O Portomosense, relativamente ao gosto pela profissão.

A vice-presidente da Associação dos Bombeiros de Mira de Aire, Susana Barreto, em declarações ao nosso jornal, destacou a importância de se fazer este tipo de atividades, com mais regularidade, para dar a conhecer «uma parte do trabalho efetuado ao longo do ano pelos bombeiros», considerando que é preciso «chegar à população» e «realizar mais eventos que promovam esta aproximação».

Público valoriza iniciativa

Catarina Champalimaud, uma das participantes na iniciativa, que estava a fazer uma visita aos veículos dos bombeiros, vive em Mira de Aire há um ano e diz acreditar que estas iniciativas «acabam por dar uma sensação de maior segurança», ajudando a perceber melhor o trabalho dos bombeiros e a sua preparação. Pedro Henrique, turista brasileiro e comandante de uma corporação de bombeiros no Brasil, também mostrou o seu contentamento perante as demonstrações do dia aberto. «A nossa estrutura é muito mais pequena para muito mais gente», conta, acrescentando que estas iniciativas são «bastante interessantes», na medida em que são uma oportunidade para todos aprenderem sobre assuntos importantes e que lhes poderão vir a ser úteis ao longo da sua vida.

O comandante, Hélder Gonçalves, considera que, além de criar alguma dinâmica e espírito de entreajuda entre a população e os bombeiros, o dia aberto permite ainda desenvolver o “bichinho” nos mais novos e despertar a curiosidade e o interesse para que possam ingressar na carreira de bombeiro. Por isso, admite, «o desejo é repetir esta experiência, com mais regularidade, uma vez por ano pelo menos».

Foto | Rita Santos Batista
Revisão | Catarina Correia Martins