A escola de dança DiArteDance conquistou quatro medalhas (duas de ouro e duas de prata) nas finais do Dance World Cup, uma competição que juntou milhares de bailarinos de nove países diferentes (incluindo Portugal), em San Sebastián (Espanha), de 24 de junho e 2 de julho. A DiArteDance, escola de Porto de Mós, fez-se representar com 35 bailarinos, dos 6 aos 16 anos, os mesmos que tinham estado nas semifinais que aconteceram em abril, em Matosinhos.

Das medalhas alcançadas, o ouro foi conseguido nas modalidades de ballet clássico (solo) e contemporâneo (dueto) e a prata, nas modalidades de showdance (solo) e neoclássico (solo). Por outro lado, a classificação na modalidade de acrodance – ficaram em oitavo lugar entre 70 – levou a que escola lhe visse ser atribuída «uma espécie de menção honrosa», adiantou a responsável pela DiArteDance, Diana Vala, que reconheceu o feito conseguido como tendo sido «muito bom». «Eu levei três grupos de acrodance e os três ficaram em oitavo lugar, cada um no seu escalão», conta, visivelmente satisfeita com a coincidência. Além destas, a escola participou também na modalidade de sapateado em que obteve uma «ótima pontuação» mas, ainda assim, insuficiente para ganhar uma medalha.

Para conseguir reunir todo o montante necessário para poder marcar presença nas finais do Dance World Cup, a escola, os bailarinos e as respetivas famílias tiveram que fazer um grande esforço financeiro ao longo dos últimos meses. A realização de angariações de fundos foi uma das soluções encontradas mas, ainda assim, foi necessário os pais terem que suportar uma parte das despesas, como aliás Diana Vala já admitia a O Portomosense, em abril, quando soube que os alunos tinham conseguido passar à fase seguinte. «Conseguimos angariar bastante valor, até mais do que estávamos à espera, obviamente não a totalidade mas isso também já sabíamos que seria difícil», refere. Por outro lado, a responsável da escola sublinha que a presença na competição também só foi possível graças ao donativo de várias empresas e instituições, a maioria do concelho de Porto de Mós. «Houve muitas empresas a patrocinarem-nos mas também tivemos ajudas de outras entidades que sabemos que vão dar mas ainda não temos o dinheiro na conta», afirma. É o caso da Câmara da Batalha que, segundo Diana Vala, atribuiu 2 mil euros para a escola, considerando que é um local onde estão inscritos muitos alunos do município vizinho.