A escola de dança DiArteDance, de Porto de Mós, voltou a brilhar na edição nacional do Dance World Cup, ao conquistar quatro medalhas de ouro, seis de prata e seis de bronze. Além das 16 medalhas nas diferentes modalidades, a escola de Diana Vala, viu, ainda, seis coreografias obterem o quarto lugar e que, desta vez, por ser Portugal o anfitrião da final mundial, corresponde, igualmente, a um apuramento direto para o campeonato mundial. Como todas as 36 coreografias apresentadas obtiveram classificação acima dos 70 pontos, o mínimo necessário para o apuramento, as que não ficaram num dos primeiros quatro lugares da classificação podem, ainda, ser repescadas para a final a ter lugar em Braga.

Perante estes resultados, Diana Vala, em declarações a O Portomosense, não tem dúvidas em afirmar que são a prova do trabalho realizado pela DiArteDance e a sua equipa de professores, sendo correspondidos em igual medida pelo «empenho e dedicação dos alunos, com incondicional apoio dos seus encarregados de educação». Só assim, sublinha a jovem, se consegue conquistar 16 medalhas num evento a que concorrem cerca de 900 coreografias das diferentes escolas portuguesas.

A responsável lembra, ainda, que o sucesso alcançado em 2019, não é situação única: há cinco anos que a DiArteDance participa no Dance World Cup, e há cinco anos, sem exceção, que tem coreografias apuradas para os mundiais da Dança. «Graças ao empenho de professores e alunos, tem sido possível aumentar não só o número de coreografias apresentadas mas, em especial, o nível artístico das mesmas», realça. Este ano, a escola apresentou-se nas modalidades de Hip Hop, Sapateado, Ballet Clássico, Ballet Neo Clássico, Contemporâneo e Acro Dance.

Ginásio O2 também conquista medalhas

Porto de Mós esteve também representado na edição nacional do Dance World Cup, pelo Ginásio O2, da Moitalina, que trouxe para o concelho, duas medalhas de prata e dois quartos lugares.
Em declarações ao nosso jornal, Viviana Perfeito, a responsável pelo Ginásio O2, mostrou-se muito satisfeita com os resultados alcançados e enalteceu o trabalho dos alunos e da professora Adriana Lourenço.
«Nunca pensámos chegar tão longe», reconheceu, explicando que a modalidade de Acro Dance (dança acrobática) é muito recente no ginásio, tendo a turma sido criada apenas no ano passado. Para esta competição «a turma foi dividida em dois grupos, as mais pequenas e as mais velhinhas e ambas trouxeram um segundo lugar. Também conseguimos dois quartos lugares com um trio das mais velhinhas e um dueto das mais novas», disse.
Embora o grupo tenha sido apurado para o mundial e haja o natural desejo de participar, Viviana Perfeito refere que «a decisão ainda não está tomada uma vez que os 10 dias de competição têm um custo elevadíssimo e, por outro lado, as jovens, que estão agora a começar, terão de competir com miúdas com outra experiência».
Também a coreógrafa portomosense, Carolina Carvalho, com alunas de uma escola de Linda-a-Velha (Oeiras), conquistou uma medalha de ouro, uma de prata e outra de bronze, bem como, dois quartos lugares.

ISIDRO BENTO | texto