Sete embarcações tradicionais da Nazaré estão a ser restauradas no âmbito de um «projeto de preservação deste património cultural» promovido pela Câmara Municipal, numa parceria que envolve também o Museu Dr. Joaquim Manso. A O Portomosense, Manuel Sequeira, vice-presidente do Município, explicou que «a maior parte dos barcos são propriedade do Museu Dr.
Joaquim Manso», sendo que a «conservação e a manutenção» dos mesmos cabe ao Município».

«O facto de as embarcações estarem expostas [no areal da praia] implica alguns danos colaterais», nomeadamente a questão do sol, sendo, por isso, o principal objetivo da autarquia «recuperar os barcos e devolvê-los à exposição ao ar livre montada no areal», em frente ao centro cultural da vila e junto à zona de secagem do peixe, referiu. O vice-presidente recordou que ter as embarcações expostas «num museu a céu aberto» reflete a ambição de «mostrar a quem visita Nazaré» aquilo que «faz parte da história e a vida dos ancestrais».

38 réplicas de barcos tradicionais adquiridos pela Câmara

A Câmara adquiriu 38 réplicas de barcos tradicionais da vila, num investimento que ronda os 12 mil euros, «para que as obras não se percam e sejam recuperadas». O vice-presidente da autarquia explicou ainda que as réplicas «eram de um nazareno que ao longo da vida foi colecionando peças típicas da Nazaré», acrescentando que «numa fase já derradeira da sua vida entendeu que devia dar um bom destino àquelas obras».

As 38 embarcações são «réplicas exatas dos antigos barcos usados na pesca» que o executivo entendeu que deveriam ser adquiridas para integrar o acervo municipal, acrescentou o responsável. Depois de restaurada, a coleção «será colocada em exposição no Centro Cultural da Nazaré, onde se manterá até ser transferida total ou parcialmente para o Museu Dr. Joaquim Manso», concluiu Manuel Sequeira.

Isidro Bento | revisão