O Centro Cultural, Recreativo e Desportivo do Arrimal (CCRD) tem, desde o início deste mês, uma equipa mista de atletismo, da qual faziam parte à data da elaboração deste artigo, 12 atletas, entre os 5 e os 17 anos, um número que ainda poderá vir a sofrer alterações, uma vez que o clube continua a aceitar inscrições. Treinam todas as quartas-feiras, ao final do dia, sob a supervisão de Fábio Durão, uma cara bem conhecida da terra e do clube, tendo-se recentemente sagrado vice-campeão europeu em duatlo.

Para «quase todos os atletas» desta equipa o único contacto que tiveram com o atletismo foi na escola, por isso, por enquanto, os treinos incidem nas corridas «de meio-fundo». «Primeiro vamos ensiná-los a correr e depois, então, passamos para a etapa seguinte», explica. Fábio Durão defende que «os meninos até aos 10 anos» devem encarar o desporto «como uma brincadeira», para que possam ir para os treinos «satisfeitos e motivados»: «Treinar a sério, mas a brincar. De outra forma andam aqui duas ou três semanas e não querem saber mais do atletismo», frisa.

Se neste momento existe um treino semanal, a perspetiva é passar a ter treinos bissemanais. O objetivo do orientador é, no entanto, que exista um acréscimo de intensidade para os atletas «a partir dos 10 anos» que vão ser «convidados» a realizar três por semana. «Ou cumpre ou vai ser sempre um atleta vulgar. Já lhes dei o meu exemplo. Para conseguir o que consegui, tive que treinar muito. Eles agora é que sabem. Eu ensino o melhor que sei», frisa. O orientador faz treinos adaptados, consoante a idade dos atletas. Os mais pequenos treinam dentro do pavilhão e a partir dos 10/12 anos já treinam na rua, onde fazem «escadas, rampas, séries…». Apesar de ainda estarem numa fase inicial, Fábio Durão faz um balanço positivo e o feedback que tem recebido dos pais reforça isso mesmo: «O que me dizem é que estão “desertos” que chegue a quarta-feira para virem para o treino». Uma ideia corroborada por Nuno Vendeiro, vogal desportivo, que garante tudo estar a «correr bem»: «Se eles gostarem, vão dizer na escola que gostam e assim virá mais gente».

Além dos de formação, o clube conta ainda com outros 12 atletas seniores que «treinam por conta própria, no local deles, à hora que querem». «De vez em quando, aparecem para ajudar os miúdos com cerca de 17 anos e eu também os convido a vir», acrescenta.

“Estamos no caminho certo”

O presidente do CCRD, José Luís Costa, acredita que ter Fábio Durão na equipa, enquanto orientador, poderá ter influência nos atletas e até ser um fator «motivador», sobretudo pelo seu trajeto no mundo do desporto. «Queremos que eles percebam que se começarem a trabalhar já, também podem atingir esses e outros objetivos», afirma.

Sobre os atletas até agora inscritos, o presidente reconhece que para o início este é um «bom número», mas diz estar convencido de que até ao final do ano esse número irá aumentar. «Vai tudo depender de como as coisas correrem nesta fase. Estamos no caminho certo, não ultrapassámos as nossas expectativas, mas também não as defraudámos», considera.

Por enquanto, nenhum dos atletas paga mensalidade, cabendo ao clube suportar todas as despesas, mas essa é uma realidade que em breve poderá mudar. O dirigente revela que no início do ano será feita uma «avaliação mais profunda» para perceber os gastos inerentes à modalidade e «se há ou não necessidade» de exigir uma verba mensal aos atletas, uma possibilidade para a qual, garante, os pais já foram alertados.

Fotos | Jéssica Silva