Nos próximos dias 13 e 14 de novembro realiza-se mais uma edição do Festival do Galo de Serro Ventoso. Tal como no ano passado vão ser feitas entregas ao domicilio a uma distância de até 10 quilómetros, serviço realizado pelo grupo motard “As Mal Estimadas” e que o presidente da Junta de Freguesia de Serro Ventoso afirma ter sido «um sucesso» na primeira vez em que foi feito. No entanto, a boa notícia não é essa, mas sim o regresso do restaurante presencial que volta ao Salão de São Silvestre, depois de um ano em que a pandemia não permitiu o convívio. «Sinceramente estou muito curioso em relação à adesão deste ano, mas acho que as pessoas vão voltar ao modelo presencial, porque estão desejosas de sair de casa, de comer fora, de conviver», frisa. Apesar destas medidas já não serem impostas, o presidente assegura ainda que estará à disposição de quem estiver presente álcool gel e avisos de sensibilização para o uso da máscara, para «diminuir o máximo possível o risco».

Recorde-se que o Festival do Galo de Serro Ventoso já chegou a concentrar, durante os dois dias de evento, cerca de 1500 pessoas sentadas à mesa para apreciar as iguarias onde, naturalmente, o galo é figura de cartaz. Este ano repetem-se três pratos do ano passado – Galo no Forno, Cabidela de Galo e Galo Bêbado – mas as iguarias não ficam por aqui e há pratos novos para os amantes de salgados e doces.

As novidades deste ano

Para Carlos Cordeiro a «inovação a cada ano» é um dos segredos do sucesso do festival e este ano não será exceção. Do menu fará parte a «alheira de galo, em princípio acompanhada por arroz de grelos», algo ainda a decidir. Já para a sobremesa haverá Cristas de Galo, uma das 7 Maravilhas Doces de Portugal, um doce típico de Vila Real, norte do país. Como o próprio nome indica, este doce faz lembrar a cristas de um galo devido à sua forma. A massa externa é feita à base de farinha, banha, ovos e sal e o recheio é feito com açúcar, amêndoa, ovos, toucinho, maçã ácida e canela.