No dia 1 de outubro, Dia Nacional da Água, a Junta de Freguesia de Porto de Mós aproveitou para inaugurar a requalificada Fonte do Livramento. Esta requalificação é apenas uma das várias já feitas pela Junta de Freguesia de Porto de Mós, que tinha como meta dar uma “nova roupagem” às várias fontes que existem pela freguesia e que se encontrassem em estado de degradação. No ano passado, também por data desta efeméride, tinha sido inaugurada a requalificada fonte no Tojal, recorda o presidente da Junta, Manuel Barroso: «Já no ano passado fizemos a inauguração no Tojal. Esta foi uma das bandeiras que eu, no programa eleitoral, me comprometi a fazer, recuperar todas as fontes e esta é uma das últimas que eu tenho na freguesia». O presidente destaca que esta é uma fonte muito especial e acarinhada pela população: «Esta é uma fonte centenária, tem uma história bastante bonita para esta aldeia. As pessoas vinham aqui lavar a roupa, buscar água para consumo em casa, o gado bebia aqui, namorava-se aqui e também se fizeram aqui muitos casamentos», conta.

A importância da fonte para a população foi bem notória durante a inauguração, não só pela presença de vários moradores mas também pelo seu entusiasmo. Ao nosso jornal chegaram alguns testemunhos de moradores que quiseram agradecer à Junta de Freguesia. «Graças à Junta de Freguesia, ao presidente Manuel Barroso, com a sua entrega e dedicação empreendedora, tornou este espaço público lindo e acolhedor», afirma António Dias. O morador deixou ainda um «obrigado especial à família Frazão que doou à Junta de Freguesia um espaço de terreno envolvente». Este espaço, agora relvado, tornou-se assim um espaço de lazer, onde a Junta colocou uma mesa para refeições. Joaquim Esteves Caetano, também do Livramento, frisou que esta «é uma fonte muito querida pela população» da terra e que ainda hoje «existem algumas pessoas idosas que recordam com saudade» os momentos que viveram no espaço.

O presidente da Câmara de Porto de Mós, Jorge Vala, também marcou presença na inauguração, salientando que a «Junta de Freguesia está de parabéns» por mais esta obra. «Quem vier a seguir vai saber que esta fonte já esteve destruída e que foi reconstruida e que hoje, embora tinha um significado diferente de antigamente, continua a afirmar uma coisa muito importante: a água é vida e cada vez é mais escassa», frisa. O autarca acredita ainda que esta é uma forma eficaz de «recuperar as memórias»: «Aqueles que são mais velhos vão com certeza deixar para os seus este legado, aquilo que esta fonte significou no passado e aquilo que ela é agora, uma fonte bonita, bem recuperada e enquadrada e também utilizável para todos. O Município agradece sempre estas iniciativas», concluiu. A obra, feita por inteiro por funcionários da Junta de Freguesia teve custos «à volta de três a quatro mil euros», informou Manuel Barroso.