Início » Grupo de moradores de Mira de Aire contesta declarações de vereadora da Ação Social

Grupo de moradores de Mira de Aire contesta declarações de vereadora da Ação Social

28 Fevereiro 2023
O Portomosense

Texto

Partilhar

O Portomosense

28 Fev, 2023

Depois de, há duas edições, O Portomosense ter procurado saber como se encontrava a situação dos desacatos no Beco e na Rua das Flores, em Mira de Aire, e de ter obtido como resposta que tudo estava «a decorrer com normalidade», tendo a vereadora da Ação Social, Telma Cruz, dito que não têm sido apresentadas novas queixas e que a comunidade cigana que ali mora estava «a fazer tentativas para se integrar»; um grupo de moradores de Mira de Aire, cujos elementos não querem ser identificados, contactou o nosso jornal para contestar as declarações de Telma Cruz: «Tudo o que é dito é irreal, é mentira, é política», dizem. O grupo mostra-se indignado com a postura adotada pela vereadora, também residente em Mira de Aire, mas numa outra zona da vila: «Temos que nos revoltar quando vemos um artigo destes em que o que se lá diz é pura política, é querer “tapar o sol com a peneira”. A doutora Telma fez o papel dela, é política e aquilo não é ao pé da casa dela», continuam.

Relativamente à não apresentação de queixas, os moradores dizem que «já ninguém se queixa, porque não vale a pena». «Centenas de vezes que os vizinhos chamaram lá a GNR, mas nada disso eles têm como queixa. Só é considerada queixa, se seguir para tribunal. Quem é que está, no seu perfeito juízo, disposto a gastar dinheiro, tempo e sujeitar-se a represálias para meter uma queixa em tribunal e vir de lá enxovalhado e a rirem-se da pessoa, como aconteceu com a dona Dina [a mulher agredida naquela zona da vila em setembro último]? Foi a única que meteu uma queixa em tribunal e agora só pode ir a casa dos pais [na rua em causa] acompanhada da GNR», contam.

Quanto aos resultados da reunião com o mediador social, promovida pela Câmara Municipal, dizem achar que «não valeu de nada, porque o problema mantém-se e com tendência a agravar». «Dizem que quem mora ali perto ou passa por ali não deve provocar, mas aqui não é uma questão de provocar, ninguém provoca. Andamos na nossa vida, circulamos, só que só pelo simples facto de passarmos, somos provocados; se viermos com o telemóvel na mão para atender uma chamada, já dizem que estamos a tirar fotografias, põem-se em altos berros. Não provocamos, só tentamos fazer a nossa vida normalmente. Estamos a ver a nossa vida super condicionada, a vida de toda a vila, porque as pessoas que passavam ali, principalmente as de mais idade, para ir à igreja ou aos supermercados, já ninguém passa, toda a gente vai pela estrada principal», contam. «Não estamos contra eles, mas contra a maneira como vivem, como nos intimidam e como alteraram a vida das pessoas que aqui moravam», sublinham.

Qual a solução?

Na opinião das várias dezenas de moradores que compõem o grupo, a resolução para este problema de má convivência entre a comunidade cigana e os restantes moradores está numa «solução concertada entre várias entidades», porém o que acontece, consideram, é que «cada um sacode o seu lado. Cada um fica à espera que o outro resolva e depois ninguém faz nada». «A única entidade que faz alguma coisa, dentro do pouquíssimo que pode fazer, é a Junta. O presidente já lá foi, mas também foi ameaçado. É a única entidade em quem notamos preocupação e vontade de resolver o problema. Os outros estão todos longe e estão-se borrifando», consideram.

Os proprietários, que podiam ser a solução, estão em processo de «litígio por causa de uma herança e não estando essa questão 100% esclarecida» não podem tomar qualquer atitude. «Soubemos ultimamente que uma das herdeiras quer vender uma casa, mas quem é que vai comprar aquilo? Vai comprar um problema», dizem. Por outro lado, se os proprietários «não estão a tomar atitudes, não moram aqui e, se calhar, nem têm noção da dimensão dos problemas» e tendo em conta o estado das casas, que já «não têm condições para as pessoas lá estarem», «talvez alguém com autoridade pudesse tirá-los dali, mas para isso, têm de os pôr noutro lugar» e isso, acreditam, «pode ser também um problema». «Eles dizem que têm contratos de arrendamento, mas se os tivessem tinham que estar a pagar renda a alguém, tinham que ter comprovativos. Além disso, não pagam água nem luz e isso é outra situação que não compreendemos, porque se fossem outras pessoas, já teriam esses serviços “cortados”», dizem os moradores, revoltados com toda a situação.

“É esta a triste realidade”

Da Câmara, o que dizem é que «se os proprietários [daquelas habitações] não fizerem nada, ninguém pode fazer, ninguém pode ir buscá-los dentro de casa e exigir-lhes isto ou aquilo», mas na verdade, o que incomoda os outros moradores é «o que se passa na rua». «Fazem fogueiras na rua, no meio da estrada e estão todos ali à volta, como se estivessem na lareira da sala. Há colchões no meio da estrada, cobertores, pessoas deitadas, é xixi, é cocó, é lixo, é porcaria, nem se pode ali passar com o fedor. No verão, quando lá passamos, os sapatos colam ao chão. Houve uma altura em que os fios da eletricidade estavam cheios de sapatos e sapatilhas pendurados a informar que se vendia droga. Saltam muros, partem vidros, portas, destroem tudo. Se a pessoa quiser ter umas galinhas, não pode porque eles roubam. Os velhotes tinham curgetes ou couves, roubavam tudo e destruíam. [Além de que] Os velhotes que ali moravam estavam habituados a estar ali na rua, uns com os outros, isso acabou. As pessoas conviviam, sentavam-se debaixo da árvore, deixaram de o poder fazer. As pessoas não podem estar na rua», relatam. «É esta a triste realidade», frisam.

Uma das preocupações do grupo é «o estado em que as crianças daquelas famílias andam». «É indecente a forma como se apresentam de aspeto, as roupas, a higiene, os cabelos, a pele, andam descalços. Se qualquer outra pessoa tivesse os filhos naquele estado, no dia a seguir e muito bem, tinha a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens à porta. Se alguém deixasse os filhos a dormir em colchões durante a noite na rua, em plena via pública, com certeza que tinha o tribunal de menores a pedir contas. Há miúdos que dormem, na primavera, no verão e no outono – agora não, porque chove –, em colchões, a pleno relento», apontam.

Publicidade

Este espaço pode ser seu.
Publicidade 300px*600px
Half-Page

Primeira Página

Em Destaque