Início » Grutas de Mira de Aire entram em ano de cinquentenário com os melhores números do século

Grutas de Mira de Aire entram em ano de cinquentenário com os melhores números do século

26 Dezembro 2023
Bruno Fidalgo Sousa

Texto

Partilhar

Bruno Fidalgo Sousa

26 Dez, 2023

Passaram cerca de 175 mil pessoas pelas Grutas de Mira de Aire este ano. Em termos homólogos, é um acréscimo que ronda os 17%, já que em 2022 contaram com 145 mil visitantes, mas o destaque vai mesmo para o número recorde: «Para termos um ano igual temos de recuar até 1992. Porque daí para a frente foram sempre menos de 180 mil visitantes, e este ano vai ser o melhor ano deste século e vai ser um dos melhores anos da última década do século passado», explica ao nosso jornal o presidente do Conselho de Administração das Grutas de Mire de Aire, Carlos Alberto Jorge, que faz um balanço positivo e que augura um ano igualmente favorável em 2024 – quando se celebram 50 anos desde que a estrutura foi aberta ao pública, a 14 de agosto de 1974. Os números estarão ainda longe do recorde absoluto (310 mil visitantes no ano de 1975), mas a administração daquele conjunto de galerias subterrâneas promete «novas valências, novos produtos», e é esse fator diferencial que motiva uma adesão cada vez maior. «Começámos a chegar a público mais interessado em natureza, o facto de irmos com frequência aos congressos de turismo a Espanha deu uma projeção muito grande às Grutas [o que pode explicar o facto de quase 55% dos visitantes em época baixa serem estrangeiros], saímos aqui do nosso nicho e alargámos e fomos, tanto que há publicações mundiais onde saem as Grutas de Mira de Aire em conjunto com diversas outras», diz-nos Carlos Alberto, deixando ainda no ar um facto que o deixa devidamente orgulhoso: «Ao longo destes 50 anos já tivemos 8 milhões de visitantes».

2024 para celebrar e para inovar

A O Portomosense, Carlos Alberto Jorge enumera «novos produtos que já irão entrar em vigor no próximo ano». A concretização da Casa do Conhecimento alia-se às já anunciadas visitas virtuais à gruta como grandes bandeiras do futuro: «É uma das coisas que nos preocupa, aquelas pessoas que chegam aqui e têm mobilidade reduzida, [poderem] ver a gruta através de realidade virtual. Isto será implementado não tão depressa quanto nós queríamos, porque as empresas que nos estão a acompanhar no desenvolvimento desses projetos estão a trabalhar para uma panóplia muito grande de grutas no mundo e nós temos de estar na lista de espera, portanto, a recolha de imagens para poder visitar a gruta virtualmente só vai acontecer no princípio de abril». Além disso, e segundo Carlos Alberto, planeia-se «fazer visitas mais radicais, a zonas da gruta que não estão abertas ao público», algo que lhe tem sido sucessivamente sugerido pelos visitantes.

A lista de novidades inclui ainda «uma exposição só com luz ultravioleta para ver os cristais que existem nos minerais; um painel [mural] com cerca de 30 metros de comprimento», com assinatura de Basílio; uma exposição interativa intitulada 5 sentidos, em que as pessoas são convidadas a tocar numa estalagmite ou estalactite, pedindo-lhe para não tocarem nas que estão dentro da gruta; e a vontade de ter, «a partir de janeiro» e «todos os meses, um evento cultural no interior da gruta», com «prata da casa», da poesia, ao teatro.

Publicidade

Este espaço pode ser seu.
Publicidade 300px*600px
Half-Page

Primeira Página

Em Destaque