Passavam poucos minutos das oito da manhã, da passada terça-feira, dia 24, quando toca o telefone de Jorge Paulo Carvalho, presidente de Junta da União de Freguesias de Arrimal e Mendiga. Do outro do lado da linha, era um trabalhador, que tem por hábito recolher pedra junto ao Arco da Memória, no Arrimal, a dar conta de que tinha encontrado um corpo. «Começou a sentir o cheiro e foi atrás dele até o descobrir», conta o autarca. «Liguei de imediato para a GNR. Depois fomos todos lá e vimos o corpo», acrescenta. O corpo encontrado pertencia a Artur Pereira Amado, de 55 anos, desaparecido há três semanas e que, segundo algumas testemunhas, tinha sido visto pela última vez nas bombas de gasolina de Moleanos.

No local, estiveram presentes vários elementos, entre os quais, «três elementos da GNR» e «duas Delegadas de Saúde» que deram autorização para o corpo ser retirado e encaminhado para o Instituto de Medicina Legal de Leiria com o objetivo de «ser autopsiado».