Já foi aprovada a adjudicação da empreitada para a construção da incubadora de empresas que será instalada na antiga cantina de Porto de Mós, junto ao Centro Escolar da vila. A obra foi aprovada em reunião de Câmara e tem um prazo de execução de 120 dias, com um investimento total de quase 248 mil euros.

De acordo com nota de imprensa do Município, esta é uma medida que pretende «potenciar o empreendedorismo» e a «fixação de pessoas no território» e a infraestrutura terá «uma função complementar e fundamental, onde se pretende inserir fisicamente o Gabinete de Apoio às Empresas e o Gabinete de Inserção Profissional». No edifício ficarão ainda disponíveis alguns serviços públicos e logísticos «imprescindíveis para o sucesso no processo de criação de uma empresa», adianta o mesmo comunicado, enviado à nossa redação.

Vereador diz sentir solicitação da população

O vereador da Inovação e Empreendedorismo, Marco Lopes, disse a O Portomosense, que apesar de as obras ainda não terem tido início, a equipa está já a trabalhar no conceito da incubadora, através do Gabinete de Apoio a Empresas. Esta nova infraestrutura «terá uma ligação com o FabLab, no plano tecnológico, na inovação e na tecnologia», será também feita uma ligação com o Instituto do Emprego e da Formação Profissional, «para a criação de primeiro emprego, criado o Centro de Apoio ao Empreendedorismo»; espaço ainda para uma conexão com o Centro de Apoio Empresarial que o Município pretende criar na futura Área de Localização Empresarial de Porto de Mós.

Apesar de a incubadora não estar ainda em funcionamento, Marco Lopes afirma que tem sentido a necessidade deste apoio, «em Porto de Mós e não só»: «Podemos também ter jovens, pessoas na idade ativa, de fora do concelho, interessadas em vir, criar o seu próprio negócio e instalar-se em Porto de Mós», afirmou. «Claro que queremos que os jovens de Porto de Mós fiquem cá, desenvolvam o concelho, criem o seu negócio, tenham o seu apoio na parte do desenvolvimento das empresas, claro que nós queremos que isso tudo aconteça e é por isso que estamos a criar a incubadora», refere. Acrescentando que há ideias ainda a ser desenvolvidas, o vereador remata que esta nova valência «será muito importante para o concelho» para que «dê apoio a quem quiser avançar e investir em negócios tecnológicos e não só».