Início » Jorge Vala não poupou críticas ao ICNF na inauguração do miradouro de Chão das Pias

Jorge Vala não poupou críticas ao ICNF na inauguração do miradouro de Chão das Pias

26 Novembro 2021
Rita Santos Batista

Texto

Partilhar

Rita Santos Batista

26 Nov, 2021

Aquando da inauguração do miradouro de Chão das Pias, na freguesia de Serro Ventoso, que decorreu no passado dia 15 de novembro,  o presidente da Câmara de Porto de Mós, Jorge Vala, aproveitou a presença do diretor regional do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) para apontar algumas críticas à entidade que “gere” o Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC). O autarca começou por dizer que a comunidade de javalis no concelho é cada vez maior e que se trata de «um problema gravíssimo» porque destroem «muros, culturas e capoeiras», lamentando que ao contrário do que acontece fora do parque natural, aqui «não seja permitido fazer montarias».

Jorge Vala congratulou-se por, finalmente, nove anos depois, estarem em vigor os planos de pormenor para as áreas de pedreiras, os chamados PIER, questionando-se, contudo, se seriam mesmo necessários nove anos para aprovar um instrumento de gestão do território que todos reconhecem ser de enorme importância. Do rol de críticas consta o lamento quanto ao atraso na publicação do Programa Especial do PNSAC que irá substituir o Plano de Ordenamento do mesmo parque. De acordo com Jorge Vala, a Câmara está a concluir a alteração ao Plano Diretor Municipal (PDM) e devia acomodar nele as regras impostas pelo Programa Especial (que em termos legais se sobrepõe ao PDM), no entanto, depois de uma espera de três anos, sem que a desejada publicação acontecesse e correndo-se o risco de aqui resultarem graves prejuízos para a população, foi decidido prosseguir com a alteração ao PDM «sem acomodar este documento». «Não sei bem o que vai acontecer depois», confessou o autarca.

O autarca queixou-se também da indefinição quanto ao que fazer relativamente à chamada praia jurássica, um espaço que, segundo ele, está a degradar-se e sem haver uma solução à vista, e na demora do ICNF em autorizar a realização de uma sondagem na Fórnea para tentar perceber as condições em que ali pode ser construída uma zona de contemplação. «Queremos investir na melhoria das condições das populações e proteger o ambiente mas muitas vezes não o conseguimos» disse defendendo que o PNSAC «tem de ser uma instituição mais próxima da realidade terrena, mais próxima de nós e menos nos gabinetes e, sobretudo, compreender a vontade das populações em quererem desenvolver-se», sublinhou.

Isidro Bento | Revisão

Publicidade

Este espaço pode ser seu.
Publicidade 300px*600px
Half-Page

Primeira Página

Em Destaque