José Sócrates, ex-primeiro-ministro português, acaba de ser ilibado do crime de corrupção ativa, na acusação de favorecimento do Grupo Lena, que constava do processo Operação Marquês. O juiz Ivo Rosa, na leitura do despacho final de instrução, deu ainda conta de foram ilibados também Joaquim Barroca, ex-administrador do Grupo, e Carlos Santos Silva, que vinha sendo dado como testa-de-ferro de José Sócrates.

De recordar que esta investigação começou em 2013 e envolve acusações de crimes de corrupção, branqueamento de capitais, falsificação de documentos, fraude fiscal, abuso de confiança, peculato e posse de arma proibida, estando também em causa a movimentação de dinheiro e bens entre familiares e amigos. O Ministério Público acusou 19 pessoas e nove empresas.