Leandro de Sousa, jovem de 18 anos, natural de Alqueidão do Arrimal, na União de Freguesias de Arrimal e Mendiga, é um dos finalistas, em representação da Escola de Hotelaria de Fátima, na nona edição do concurso Jovem Talento da Gastronomia 2020, na categoria Barman Inter Magazine. Para aqui chegar, e este ano num processo adaptado à pandemia, sem presença física, Leandro de Sousa inscreveu-se através «de duas fichas técnicas» com a apresentação de dois cocktails: «Um feito com um método mais contemporâneo, um cocktail de autor, inventado e idealizado por mim e depois um mais clássico, que já existe, mas reinventado, com um toque pessoal», explica. O primeiro cocktail, do qual Leandro de Sousa não quer desvendar muito até à final, denomina-se Raízes, com base em produtos «da região de Leiria e de Porto de Mós». O segundo, intitulado Memories [Memórias] é «uma homenagem» ao seu avô, falecido há cerca de sete meses: «Utilizei bebidas que nós os dois bebíamos, como o vinho tinto e vermute, porque sinceramente ele era uma pessoa que me inspirava bastante e estou neste percurso também para o homenagear», frisa o jovem.
Os vencedores, nas seis categorias do concurso, vão ser conhecidos numa final realizada na Escola Profissional de Esposende, em abril. O júri, explica Leandro de Sousa, é normalmente composto por quatro pessoas, «nomes importantes da hotelaria, neste caso na área do bar». Esta fase da prova vai ser a única a acontecer de forma física e «vai ser transmitida em direto» nos canais oficiais da organização. O jovem reconhece que este tipo de prémios, caso venha a vencer, «são muito importantes para o currículo» e podem chamar «a atenção das grandes empresas e marcas hoteleiras». Inicialmente um movimento, criado em 2009, e depois em formato concurso (a partir de 2012), o Jovem Talento da Gastronomia é direcionado «a jovens profissionais e estudantes de hotelaria e restauração», nas várias vertentes, cozinha, pastelaria, bar, serviço de sala e gestão e funciona como rampa de «lançamento para os participantes», explica a entidade promotora na sua página na internet.

O percurso do arrimalense

É verdade que atingiu a maioridade apenas no final do ano passado, mas as experiências profissionais de Leandro de Sousa já se acumulam. Começou a estudar na Escola de Hotelaria de Fátima em 2017, no curso de Técnico de Restaurante/Bar e terminou o curso no ano passado. Pelo meio teve três experiências em restaurantes reconhecidos, no Costa Brava na Benedita, num resort de luxo no Algarve, Vale d’Oliveiras, de cinco estrelas e por fim no restaurante Bon Bon, em Faro, premiado com uma estrela Michelin. A sua família e a envolvência com este ramo foram a chave para que o seu futuro passasse por este ramo. Do bisavô, à avó materna, passando pelos pais, vários são os membros da família que já trabalharam em cozinha ou com formações na área, mas é o seu irmão a sua maior fonte de inspiração: «O meu irmão, Leonardo Sousa,tem o curso profissional de Técnico de Restauração (Cozinha/Pastelaria) na Escola Profissional da Nazaré, um curso de especialização tecnológica de Gestão e Produção de Cozinha na Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre e está a terminar neste momento uma licenciatura em Gastronomia na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Coimbra. Já realizou vários estágios em cozinhas de restaurantes e hotéis em Portugal e em Itália e está a desenvolver um trabalho gastronómico no âmbito da licenciatura, para o concelho de Porto de Mós», conta. Atualmente, Leandro de Sousa encontra-se a tirar outro curso, na área da Gestão de Restauração/Bar, na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril.

No futuro próximo, o jovem portomosense imagina-se a trabalhar «nos melhores bares do mundo» e daqui a uns anos tem como sonho «abrir um restaurante com o auxílio do irmão», o grande mentor. O local para o espaço já está escolhido, a sua terra natal. «Acho que é importante trazer coisas novas para as nossas terras, é importante para as aldeias que ainda não estão muito evoluídas, para poderem crescer», conclui.