No dia 16 de abril, Luís Boal, um apaixonado por BMX, saiu do Alqueidão da Serra, de onde é natural, em direção a Caldas da Rainha para fazer aquilo de que mais gosta: andar de bicicleta. Tinha tudo para ser um dia como tantos outros, contudo estava longe de imaginar que, nesse dia, iria ficar a conhecer a história de alguém, com a qual iria ficar sensibilizado. Foi no skateparque da cidade caldense que conheceu Andriy, um jovem, com cerca de 20 anos, que, sempre que alguém parava de andar de bicicleta, pedia que lha emprestassem para ele também poder andar. A situação invulgar, a juntar «à forma como manuseava» a bicicleta e o seu «à-vontade» em fazer manobras deixou-o intrigado e, por isso, decidiu ir falar com o jovem. «Percebi que era mais uma das pessoas que está a sofrer com o que se está a passar na Ucrânia», conta Luís Boal. O rapaz que pedia a bicicleta emprestada era um jovem refugiado, que fora obrigado a fugir da guerra e a vir para Portugal, onde está a viver apenas com a mãe.

Durante a viagem de regresso até ao Alqueidão da Serra, a história de Andriy não lhe saiu da cabeça um único segundo. «Eu sinto que ninguém deve ser impedido de viver os seus sonhos e a verdade é que esta tragédia impediu o Andriy de viver o dele – andar de bicicleta e estar com os amigos», desabafa. Ciente de que BMX é «significado de união», Luís Boal sentiu que não podia ficar parado: tinha de fazer alguma coisa para ajudar o jovem refugiado. Sem se conformar, no dia seguinte, decidiu lançar um apelo nas redes sociais para que o ajudassem a construir uma bicicleta de BMX de raiz para oferecer ao Andriy e em menos de duas horas conseguiu reunir todas as peças necessárias para montar a bicicleta. «As pessoas podiam ajudar através da doação de peças (novas ou usadas) ou monetariamente (com donativos MBWay), mas como rapidamente consegui as peças, recusei qualquer tipo de donativo monetário», acrescenta. A onda de apoio e a recetividade das pessoas ao pedido de ajuda de Luís Boal foi de tal forma expressiva que «houve até quem se oferecesse para pagar a bicicleta completa ao Andriy», garante.

Para a construção da bicicleta contribuíram 12 pessoas de vários cantos de Portugal, desde Leiria, Lisboa, Sintra e até Porto. As doações vieram sobretudo de pessoas a título individual mas também de pessoas com empresas ligadas ao ciclismo que doaram o tipo de material que normalmente se estraga com mais facilidade e que as pessoas que habitualmente praticam este tipo de desporto não têm de sobra, como é o caso das câmaras de ar.

O atraso na receção de algumas peças inviabilizou uma maior rapidez na entrega, mas a verdade é que ontem Luís Boal pôde finalmente concretizar a ideia que andava há vários dias a ser planeada. Foi ao local onde tudo começou, no skateparque de Caldas da Rainha,  e entregou, em mãos, a bicicleta por si montada ao jovem ucraniano. Perante este gesto de solidariedade, Andriy ficou «sem palavras». No fim, agradeceu o apoio de todas as «pessoas gentis» que contribuíram para a construção da bicicleta e mostrou-se sensibilizado pela bondade das pessoas que o ajudaram sem praticamente o conhecerem. «Nunca esquecerei este gesto», escreveu numa mensagem enviada a Luís Boal, que este posteriormente divulgou nas redes sociais.