Já são conhecidas as conclusões do relatório de Avaliação da Satisfação do Doente Internado, elaborado pela Comissão de Humanização do Centro Hospitalar de Leiria (CHL) em 2021, que teve como objetivo «compreender as expectativas dos utentes com vista ao reforço dos laços de confiança e à melhoria contínua dos serviços prestados». Dos utentes que participaram no estudo, «90% atribuíram a classificação de “Muito Bom” e “Bom” à qualidade global do serviço prestado pelo CHL» durante o internamento e «89% respondeu que aconselharia o CHL a um familiar, amigo ou colega que tivesse de recorrer a um hospital», revela a instituição em comunicado. O presidente do conselho de administração, Licínio de Carvalho, realça os resultados obtidos: «São bastante positivos e assumem especial relevância para o CHL, tendo em conta que dizem respeito à atividade realizada durante um ano particularmente difícil, em contexto de combate à pandemia».

Neste relatório foram avaliados vários fatores, entre os quais a privacidade do atendimento, o silêncio, o conforto e a alimentação durante o internamento dos doentes. No que se refere à privacidade no atendimento, cerca de 85% dos inquiridos atribuíram a classificação de “Muito Bom” e “Bom”, contudo referem que há «aspetos a melhorar», nomeadamente no que toca «ao sigilo profissional, proteção de privacidade e confidencialidade, assim como a necessidade de evitar conversas entre profissionais e discussão de casos clínicos perto de outros utentes». Quanto ao silêncio existente nas enfermarias do CHL, este foi um fator «bastante valorizado» no relatório, tendo 70% das pessoas dado a classificação de “Muito Bom” e “Bom” a este item, havendo 20% que o avaliou como “Satisfatório” e 4% como “Mau”. Quanto ao conforto, este foi um fator igualmente valorizado pelos utentes, sendo que, segundo o mesmo comunicado, «80% classificaram-no como “Muito Bom” e “Bom”». Contudo, foram identificadas algumas sugestões de melhoria, nomeadamente no que se refere «ao conforto das camas, colchões e cadeirões». Já no que toca à alimentação, a maioria dos inquiridos classificou como “Bom”, no entanto, houve um número significativo de classificações de “Satisfatório” em aspetos relacionados com o horário, qualidade e apoio durante as refeições.