De forma precisa, 155 957 pessoas visitaram os espaços culturais do concelho de Leiria e para este aproximar à realidade pré-pandemia, contribuiu a curiosidade em relação à requalificação do Castelo de Leiria que tem a maior parte da fatia de visitantes. No total, 104 622 pessoas visitaram o renovado Castelo. Face a 2020, que tinha registado 83 873 entradas nos museus, salas de espetáculos, monumentos e restantes espaços culturais, o número de visitas duplicou, lembrando ainda que estes dados não incluem o mês de dezembro.

O segundo espaço mais visitado foi o Mercado de Santana com 15 571 entradas, seguindo-se o Museu de Leiria (7678), MIMO – Museu da Imagem em Movimento (6755), Centro de Diálogo Intercultural (5545), Moinho do Papel (5052), Teatro Miguel Franco (4648), Banco das Artes Galeria (2364), Igreja de São Pedro (1173), Agromuseu D. Julinha (1156), Centro de Interpretação do Abrigo do Lagar Velho (871) e Casa da Cidade Criativa da Música (522). O Município de Leiria recorda que ao longo do ano passado, vários equipamentos estiveram encerrados ou com funcionamento limitado devido ao contexto pandémico.

Para este ano, há novidades no plano cultural. «A Câmara de Leiria prevê realizar obras de manutenção no Moinho de Papel, avançar com o projeto de reabilitação do edifício do antigo Banco de Portugal – onde funciona o Banco das Artes Galeria – e concluir a intervenção na Casa dos Pintores, atualmente de portas fechadas», revela. Será ainda posta a votação durante este ano a proposta para uma nova fase de reabilitação do Castelo de Leiria, nomeadamente nos Paços Novos, Torre de Menagem, ruínas da Colegiada, além de “reparações de fundo e consolidação das muralhas, barbacãs, torreões e Portas do Norte”.