A partir do próximo dia 7 de setembro, e semanalmente aos sábados, a Associação Serviço e Socorro Voluntário de São Jorge através do seu Gabinete de Apoio à Família e Comunidade (GAFC) vai lançar o programa Manhãs dos Avós. O projeto consiste em, todos os sábados de manhã, criar uma ocupação para as crianças a partir dos três anos, em que os “mestres” serão voluntários seniores, chamados, carinhosamente, de Avós. As inscrições estão abertas – quer para os voluntários, quer para as crianças – e podem ser feitas através do site (www.assvsaojorge.com) ou diretamente na associação.

Sofia Ferreira, a responsável pelo GAFC e, consequentemente, por este programa, explicou a O Portomosense que acharam que «isto é uma necessidade», pois há pais que trabalham ao sábado de manhã e, como as escolas estão fechadas, muitas vezes, saber onde deixar os filhos torna-se num problema. Foi então que surgiu a ideia de «criar uma aprendizagem entre gerações». «Comemorámos aqui o Dia dos Avós e os miúdos não sabiam jogar ao berlinde, lançar o pião é uma coisa que só os avós é que conseguem ensinar…», então «achámos que era importante renovar esses conhecimentos e ensiná-los às crianças. A ideia é haver uma partilha de aprendizagens, de competências, de coisas que se faziam antigamente de forma natural, mas que se têm vindo a perder», revelou a responsável.

Além disso, a também técnica de reabilitação psico-motora considera que «aquela célebre frase que diz que “parar é morrer” é mesmo verdade» e que este programa traz também vantagens para os idosos. Se as pessoas deixam de «conseguir ter alguma agilidade mental também para pensar, raciocinar, analisar, aprender, rir com outro, mais depressa entram em demência», por isso, a ideia do GAFC é que os seniores «venham e brinquem um bocadinho, riam com as crianças e saiam um bocadinho de casa», avança. Sofia Ferreira ressalva que a associação tem consciência de que, para alguns idosos, o transporte pode ser um problema, mas que estão «a tentar agilizar uma solução para que isso não seja uma barreira à participação».

As atividades vão ser variadas e de acordo com os gostos quer dos monitores, quer dos participantes. A inscrição tem um custo de 12 euros para os associados e 15 para os não associados.

Centro intergeracional “em cima da mesa”

Aquando da comemoração do 30.º aniversário da Associação (em janeiro de 2018), o presidente Nuno Rebocho deu conta de que era intenção da direção criar um centro comunitário intergeracional que pretendia «juntar gerações […] numa troca de vivências e saberes». Este Centro não é ainda uma realidade, no entanto, Sofia Ferreira afirma que o programa Manhãs dos Avós «pode ser o primeiro passo», uma vez que a ideia se mantém «em cima da mesa». Este programa vai assim servir também «para perceber se existe ou não essa adesão, até porque tudo demora o seu tempo e a necessidade existe continuamente». Esta é então uma primeira resposta que pode ser precursora de um projeto maior.