Amanhã, logo pela manhã vai ser inaugurado o edifício requalificado do Mercado de Mira de Aire. Esta obra, há algum tempo ansiada, devolve agora à população este espaço comercial que, inicialmente, abrirá apenas «com a parte do mercado semanal de sábado», ou seja com as bancas de frescos, sendo que os restantes espaços comerciais e de restauração vão, «gradualmente», sendo ocupados, revelou Telma Cruz. A vereadora frisou que se pretende que «o mercado seja um espaço que dê respostas à população de Mira de Aire e a quem nos visite. Daí que tenha sido alargado em termos de espaços para restaurantes e lojas. É um edifício que vai potenciar o desenvolvimento económico» e a intenção do Município «é que funcione diariamente, principalmente na parte das lojas e dos restaurantes».

O presidente de Junta revelou também que a parte das «bancas para frutas e verduras» está «toda praticamente ocupada», coisa que não acontece ainda nas lojas, «mas isso é um processo que vai ser feito pós-inauguração porque ainda não estão reunidas as condições na totalidade para que as lojas estejam ocupadas. Para haver potenciais interessados em ocuparem os espaços, estes têm que ser mostrados como vão ficar e, até ao momento, não é possível porque ainda estão a ser instalados alguns equipamentos». Alcides de Oliveira diz-se, no entanto, «otimista» relativamente ao interesse das pessoas nas lojas. O autarca frisou ainda que «quando for assinado um contrato interadministrativo para que a Junta fique com a gestão do mercado», o executivo pretende «tudo fazer para conseguir ter a curiosidade e o investimento de pessoas da vila, e não só, para que se possa abrir o mercado em pleno». Na sua opinião, o esforço para cativar comerciantes é importante, uma vez que, «desde que foi possível retomar a atividade dos mercados e das feiras, houve um decréscimo de vendedores e também de compradores», tendência que precisa de ser contrariada.

Foto | Catarina Correia Martins